O programa Covid-19 Consultório acompanha ao detalhe a progressão do novo coronavírus, num momento em que o número de mortos em Portugal aumentou para 33.

O médico de saúde pública Gustavo Tato Borges juntou-se esta terça-feira ao programa Covid-19 Consultório para esclarecer as mais relevantes questões relativas à pandemia gerada pelo novo coronavírus.

Também a advogada Sofia Matos esclareceu algumas perguntas sobre o teletrabalho e os direitos dos trabalhadores durante a pandemia de Covid-19.

 

Os idosos ativos e que se sentem com saúde estão menos vulneráveis ?

O médico de saúde pública Gustavo Tato Borgesdiz que qualquer pessoa que seja ativa e saudável está menos vulnerável de ser infetado. No entanto, um idoso terá sempre mais risco de desenvolver uma doença mais grave. 

 

Quanto tempo leva uma pessoa infetada a ficar curada?

Gustavo Tato Borges explica que a questão depende muito do organismo de cada pessoa e que o período de observação de 14 dias é o mínimo de tempo para uma pessoa ficar em casa e de vigilância. 

O médico esclarece ainda que têm de ser registados dois testes negativos para uma pessoa ser considerada curada.

 
 

De que forma devo higienizar as zonas do meu prédio?

O especialista em saúde pública afirma que, em princípio, cada prédio terá uma equipa de limpeza responsável pela hieginização. Ainda assim, “cada um de nós tem que ter o cuidado de ter hábitos alterados, como a frequente higienização das mãos e o investimento na etiqueta respiratória.

 

O teletrabalho é obrigatório ou fica à responsabilidade da empresa?

A advogada Sofia Matos explica que desde a meia-noite da sexta-feira passada que o teletrabalho é obrigatório, tendo sempre em conta as funções que o trabalhador exerce.

Todas as empresas que permitem que os trabalhadores exerçam o seu trabalho à distância devem fazê-lo”, afirma a advogada, sublinhando que se os empregadores insistirem na vinda dos trabalhadores para as instalações da empresa, estão a cometer uma ilegalidade.

Nesta situação de ilegalidade, os trabalhadores devem comunicar a situação às autoridades de segurança e explicar que estão a ser praticadas medidas contrárias àquelas que estão em vigor desde a passada sexta-feira.

  

Se uma criança ficar internada no hospital por Covid-19, o pai ou a mãe podem ficar com ela?

Gustavo Tato Borges diz que está referenciado que uma criança ou um menor pode ser acompanhada por uma pessoa no período de internamento, “mas essa pessoa vai ter que estar equipada para tal”.

Qual é o risco de passearmos na rua?

O médico de saúde pública afirma que o cerne do problema está na aproximação a outras pessoas.

O problema é que quando vamos passear, e vamos em grandes grupos, vamos ficar aproximados e portanto podemos transmitir o vírus”, afirma, sublinhando que o objetivo da quarentena é fazer com que haja o mínimo de pessoas a passear na rua para que o nosso contacto social seja reduzido e, portanto, não haja tanta facilidade de dispersar o vírus.

  

Devemos borrifar o corpo com álcool ou cloro?

Por favor, não”, responde Gustavo Tato Borges, adiantando que a água e sabão são as ferramentas de higienização corporal mais úteis neste momento e que o banho normal é  mais do que suficiente.

O médico alerta ainda que o uso de álcool ou cloro na lavagem pode resultar em queimaduras graves na pele.

/ HCL