O presidente do Governo da Madeira afirmou esta segunda-feira que foram detetados na região 18 casos de infeção com a nova estirpe do SARS- CoV-2, sendo 17 oriundas do Reino Unido e uma de Lisboa e Vale do Tejo.

Miguel Albuquerque falava aos jornalistas à margem de uma visita ao novo acesso à via rápida destinado apenas às viaturas da equipa médica de intervenção rápida (EMIR) e localizado no Pinheiro Grande, junto à Cancela, que está sediada no Serviço Regional de Proteção Civil da Madeira.

Foram 18 [casos], 17 provenientes do Reino Unido e um de Lisboa e Vale do Tejo”, disse o governante.

Em videoconferência em 21 de dezembro, Miguel Albuquerque anunciou que o Governo da Madeira iria proceder, em articulação com o Instituto Ricardo Jorge, a análises de casos positivos oriundos do Reino Unido, para avaliar se a nova estirpe do vírus já havia chegado à região.

Nós próprios vamos fazer uma análise genética de um conjunto de casos que foram detetados ao longo dos últimos meses na Madeira para ver se essa variante do vírus chegou a estar na Madeira, está na Madeira ou não”, disse.

No domingo, a Secretaria Regional de Saúde e Proteção Civil da Madeira confirmou ter detetado a presença da nova estirpe do SARS-CoV-2, que provoca a covid-19, em viajantes que chegaram à região provenientes do Reino Unido.

Na sequência da análise genética pedida pela Direção Regional de Saúde ao Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge a uma amostra de alguns casos positivos detetados na Região Autónoma da Madeira, foi confirmada a presença da nova estirpe do vírus do Reino Unido na Madeira”, revelou.

A nota, que não especificava o número de infetados, referia que “esta identificação só foi possível graças ao trabalho desenvolvido pelo Centro de Rastreio do Aeroporto Internacional da Madeira, o qual permite rastrear, identificar e encaminhar para isolamento casos positivos, quando detetados”.

A tutela sublinhou que a estratégia para controlar a pandemia na região se mantém “com enfoque na vigilância dos passageiros” e no cumprimento das orientações das autoridades de saúde.

A nova estirpe do coronavírus SARS-CoV-2 identificada no Reino Unido, apresentada como mais contagiosa e que está a inquietar o mundo, já está a circular em vários países e territórios, dentro e fora da Europa.

Na sequência da identificação desta nova variante do SARS-CoV-2, diversos países, dentro e fora da Europa, decidiram suspender as ligações, nomeadamente aéreas, com o Reino Unido, uma lista que tem vindo a aumentar.

A estirpe britânica do vírus já foi também detetada, pelo menos, na Suécia, Itália, Holanda, Alemanha, França, Espanha, Noruega e no Japão.

Madeira não sabe ainda quando irá receber vacinas

O Governo da Madeira não tem ainda uma data exata para receber o primeiro lote de vacinas contra a covid-19, disse hoje o presidente do executivo, estimando, no entanto, que a chegada possa ocorrer quarta ou quinta-feira.

Não sei quando chegam. As vacinas estavam previstas chegar hoje, mas o técnico da Pfizer já está cá a dar instruções e neste momento a Pfizer é que dirá quando vêm. Estamos à espera dessa informação", disse à comunicação social Miguel Albuquerque, à margem de uma visita ao Serviço Regional de Proteção Civil.

O governante salientou ser provável que as vacinas cheguem à Madeira a 30 ou 31 de dezembro.

No sábado, Miguel Albuquerque tinha dito aos jornalistas que a chegada das vacinas estava prevista para hoje.

Nós temos seis horas para o descongelamento das vacinas e começar a administrá-las. Só estamos a aguardar informação da Pfizer", acrescentou hoje.

Albuquerque afirmou desconhecer se as vacinas chegam à Madeira via Amesterdão ou via Lisboa e que, na altura, será distribuído um comunicado à comunicação social.

O presidente do Governo Regional, de coligação PSD/CDS-PP, confirmou ainda que no domingo um casal do Reino Unido proveniente de Bucareste foi repatriado por não querer cumprir o teste e o respetivo confinamento.

Em 23 de dezembro, o secretário regional da Saúde e da Proteção Civil, Pedro Ramos, anunciou que a Madeira estima vacinar 50 mil pessoas contra a covid-19 na primeira fase do processo, esclarecendo que prevê receber 9.750 doses em janeiro de 2021 para iniciar o programa de vacinação.

Aquilo que posso dizer, para tranquilizar a população, é que a Madeira está em condições de iniciar o seu plano de vacinação. Só estamos à espera das vacinas", acrescentou.

O governante esclareceu, por outro lado, que as 9.750 doses que chegam em janeiro vão permitir vacinar 4.785 pessoas, num universo de 200 mil elegíveis na Região Autónoma da Madeira.

/ RL