O Governo contratou 1.864 profissionais de saúde para reforçar o Sistema Nacional de Saúde (SNS) durante a epidemia de Covid-19, indica o relatório sobre o segundo período do estado de emergência divulgado esta terça-feira.

Segundo o relatório feito pelo Governo e entregue à Assembleia da República, foram contratados 76 médicos, 618 enfermeiros, 896 assistentes operacionais, 121 assistentes técnicos, 10 farmacêuticos, 113 técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica e 27 técnicos superiores.

O mesmo documento refere que estas contratações têm como objetivo “garantir que os serviços e estabelecimentos que integram o SNS se mantêm em pleno funcionamento, dispondo, designadamente, de todos os profissionais de saúde que se revelem necessários e indispensáveis” no contexto do surto pandémico.

Estas contratações inserem-se num “regime excecional em matéria de recursos humanos”, sendo contratos de trabalho por um período de quatro meses, que podem ser renovados, por iguais períodos, sublinha o relatório sobre a aplicação do segundo período do estado de emergência, entre 3 e 17 de abril.

Portugal contabiliza 948 mortos associados à covid-19 em 24.322 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia divulgado hoje.

/ AG