Pelo menos 22 pessoas foram identificadas por não terem condições mínimas para permanecerem no seu alojamento em Odemira. Este foi o primeiro passo de um longo processo no concelho alentejano, que vive uma situação particular no combate à covid-19, com medidas diferentes para as várias freguesias.

Segue-se a testagem de todas estas pessoas, com os positivos assintomáticos a serem realojados na Pousada da Juventude de Almograve, uma das freguesias alvo de cerca sanitária.

A residência de estudantes de Odemira é outra opção, tal como o complexo turístico Zmar, que tem sido alvo de crítica por parte dos proprietários que têm casas no parque, e para onde irão as pessoas que têm de fazer isolamento profilático.

Vários trabalhadores de explorações agrícolas daquele município estão em Portugal de forma ilegal, e a grande preocupação passa pelas condições de habitabilidade destas pessoas, preocupação essa que partiu desde logo do primeiro-ministro.

As freguesias de São Teotónio e Longueira-Almograve voltam à primeira fase do desconfinamento, com cerca sanitária. As restantes avançam.

Isto significa que, nestas duas freguesias, têm de encerrar, a partir de sábado, esplanadas, lojas até 200 m2 com porta para a rua, ginásios, museus, monumentos, palácios, galerias de arte e similares. São proibidas as feiras e mercados não alimentares e as modalidades desportivas de baixo risco.

Só pode funcionar o comércio ao postigo, o comércio automóvel e mediação imobiliário, os salões de cabeleireiros, manicures e similares, após marcação prévia, os estabelecimentos de comércio de livros e suportes musicais, os parques, jardins, espaços verdes e espaços de lazer, e as bibliotecas e arquivos.

Entretanto, o Presidente da República está a preparar uma Presidência Aberta no concelho, algo que deve ocorrer em junho. A decisão de Marcelo Rebelo de Sousa surge numa altura em que aquela autarquia alentejana vive uma situação muito específica no combate à covid-19.

A visita ainda não tem data marcada, e o chefe de Estado aguarda a chegada dos relatórios da situação, num município que tem milhares de trabalhadores agrícolas em situação ilegal.

A visita está apenas "idealizada", segundo confirmou a TVI junto de fonte de Belém.

Redação