A média de novos casos diários de covid-19 na última semana foi 16 vezes superior à da pior semana da primeira vaga da pandemia, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

No dia 27 de janeiro foi registado um total de 90.234 casos contabilizados nos sete dias anteriores, com uma média diária de 12.891 casos, muito acima do que se verificou na semana de abril de 2020, pico da primeira vaga.

A 2 de abril de 2020, o total de casos dos sete dias anteriores era 5.618, correspondendo a uma média de 803 novos casos por dia, refere o INE, acrescentando que esse total semanal só viria a ser ultrapassado em 4 de outubro, quando o número chegou a 10.760 casos, começando a crescer exponencialmente até ultrapassar mais de 40 mil casos semanais em meados de novembro.

Em 70 por cento dos municípios do país havia a 18 de janeiro um número de novos casos por 100 mil habitantes superior ao limite de 960, definido pelo governo como “risco extremamente elevado”.

O município com o maior número de contágios a 14 dias era nesta data Aguiar da Beira, com 6.255 novos casos por 100 mil habitantes.

Em 108 destes 215 municípios havia nesta data 1.500 novos casos por 100 mil habitantes.

Também no dia 18 de janeiro verificava-se uma taxa de incidência nacional de 1.266 por 100 mil habitantes a 14 dias, mas este valor era superior no Centro (1.438), Área Metropolitana de Lisboa (1.390) e Alentejo (1.365).

Os novos casos detetados nestas três regiões correspondiam a 62% do total de casos nacionais, com Lisboa à cabeça, com 30% dos casos.

Alentejo, Área Metropolitana de Lisboa e Centro superaram entre 21 de dezembro e 17 de janeiro o valor médio nacional de mortes, com um número de mortes 1,3 vezes superior à média do mesmo período nos últimos cinco anos.

O número de mortos durante estas quatro semanas foi 1,5 vezes superior à média do período de referência em 72 dos 308 concelhos.

/ AG