O Ministério Público instaurou um inquérito à atuação do Lar do Comércio, em Matosinhos, onde foram contabilizadas 21 mortes por Covid-19, revelou esta sexta-feira a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Em resposta à Lusa, a PGR confirma que "foi instaurado um inquérito" que corre "termos no DIAP (Departamento de Investigação e Ação Penal]) do Porto".

A confirmação surge depois das declarações da presidente da Câmara de Matosinhos, Luísa Salgueiro, que classificou hoje de negligente a atuação da direção do Lar do Comércio, adiantando que vai participar ao Ministério Público (MP), as situações que chegaram ao conhecimento da autarquia.

Naturalmente que as situações que chegaram ao nosso conhecimento sobre casos no lar do Comercio são participadas ao Ministério Público. Tal como a câmara já fez em situações em que havia relatos muito menores, nós participaremos e depois o Ministério Público fará o desenrolar do processo conforme melhor entender", afirmou à margem da cerimónia de inauguração do túnel de ligação da Avenida Calouste Gulbenkian à Autoestrada 28 (A28), em Matosinhos.

Questionada pelos jornalistas sobre se considera negligente a atuação do Lar do Comércio, a autarca referiu, que apesar de não ter visitado a instituição, "pelos relatos" que recebeu, pode falar-se em negligência.

Luísa Salgueiro salientou, contudo, que neste momento o que está em causa é a saúde dos utentes da instituição, que desde quinta-feira estão a ser transferidos para outros locais, escusando-se comentar se a gestão daquele lar de idosos deveria continuar a ser assegurada pela atual direção.

A operação de transferência de 59 utentes do Lar do Comércio em Matosinhos começou na quinta-feira. Aos jornalistas Luísa Salgueiro explicou que perante o pedido de dezenas de auxiliares por parte do lar e de relatos de debilidade dos utentes, a câmara entendeu avançar para esta solução "mais drástica", tendo decido retirar da instituição todos os utentes dependentes negativos ou positivos.

Sem condições para o fazer apenas no concelho de Matosinhos, a autarquia acionou a Proteção Civil Distrital, tendo sido os 48 utentes negativos transferidos na quinta-feira para o Centro de Neuroestimulação da Cruz Vermelha em Gaia e para o Hospital Militar no Porto, referiu.

Hoje os utentes positivos (11), estão a ser todos deslocados para o Centro de Apoio Comunitário de Matosinhos e à tarde o Exército entrará no Lar do Comércio para fazer a limpeza e a desinfeção das instalações", disse a autarca.

Segundo a autarca, o acompanhamento da situação continuará a ser feito pela equipa de Saúde Pública de Matosinhos e, à medida que os restantes utentes forem "tendo alta e estiverem em condições de regressar ao lar, regressarão".

A operação de mobilização iniciada na quinta-feira teve por base os números disponibilizados pela Unidade Local de Saúde de Matosinhos (11 positivos para Covid-19). Contudo, estes números diferem dos apresentados pelo Lar do Comércio que indicava nove casos positivos na instituição e mais um positivo que, entretanto, havia sido hospitalizado.

Portugal regista 1.190 mortes relacionadas com o novo coronavírus, mais seis do que na quinta-feira, e 28.583 infetados, mais 264, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção Geral da Saúde.

/ AG