A União das Misericórdias Portuguesas (UMP) anunciou esta quarta-feira a morte de 120 utentes, com mais de 70 anos, desde o início da pandemia de Covid-19, indicando uma taxa de letalidade de cerca de 0,4%.

De acordo com a mesma fonte, foram testados mais de 23.000 utentes e colaboradores das Misericórdias Portuguesas.

A UMP destacou, em comunicado, a recuperação de 140 utentes e 103 colaboradores atingidos pelo novo coronavírus, que provoca a Covid-19.

Os testes nos lares, com um universo de 35.000 utentes, realizaram-se sobretudo nos últimos 15 dias.

Para aferir e adaptar o plano de contingência de acordo com a evolução da pandemia, a UMP pretende recolher, com regularidade, informação atualizada de capacitação e análise do impacto da doença nas instituições.

A UMP tenciona usar os dados obtidos para, em colaboração com universidades e especialistas, elaborar “um conjunto de estudos”.

A organização foi criada em 1976 para coordenar e representar as Misericórdias, organizando atividades de interesse comum.

Portugal contabiliza 1.074 mortos associados à covid-19 em 25.702 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia divulgado na terça-feira.

Relativamente ao dia anterior, há mais 11 mortos (+1%) e mais 178 casos de infeção (+0,7%).

Das pessoas infetadas, 818 estão hospitalizadas, das quais 134 em unidades de cuidados intensivos, e o número de casos recuperados passou de 1.712 para 1.743.

Portugal entrou no domingo em situação de calamidade, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta nova fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

/ RL