Portugal é o quinto país da União Europeia com a menor incidência de infeção por covid-19, segundo os dados mais recentes do Centro Europeu para o Controlo e Prevenção de Doenças (ECDC, na sigla original).

Em poucas semanas, o país passou de um dos piores no mundo para um dos mais controlados. Segundo o organismo europeu, temos uma incidência de 173,83 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, quando esse mesmo número era de 1.628 a 27 de janeiro, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística.

Estes números explicam a brutal tendência de descida nas novas infeções que Portugal tem vindo a registar. Se a 28 de fevereiro atingíamos o recorde casos (16.432), num dia que também teve 303 mortes, os dados atuais apontam para os números mais baixos desde outubro.

Se fomos o país com maior incidência entre os 27 Estados-membros, somos agora um dos que está na outra ponta. À nossa frente estão apenas Dinamarca (118,38 casos por 100 mil habitantes), Alemanha (129,96), Croácia (131,56) e Finlândia (140,17).

No indesejado topo desta lista está ainda, a grande distância, a República Checa, com 1395,10 casos por 100 mil habitantes, tendência que se verifica há várias semanas, e que teima em não descer.

Recuperação lenta nas mortes

Apesar dos bons resultados no que toca à incidência de casos, Portugal apresenta ainda uma alta taxa de letalidade por milhão de habitantes. O ECDC até dá nota de um notório decréscimo nos óbitos registados no país, mas os dados ainda nos colocam como o quarto Estado-membro com mais mortes por milhão de habitantes (91.30).

Essa lista é liderada pela Eslováquia, com 241,49 mortes por milhão de habitantes, número que confirma uma tendência de subida nos dados, e que levou o ECDC a expressar preocupação, tal como fez em relação à República Checa, que é o segundo pior país, com 207,50 mortes por milhão.

Segue-se a Hungria, com 133,68 óbitos por milhão de habitantes nos últimos 14 dias.

O facto de análise ser feita a 14 dias é essencial, uma vez que os números apresentados por Portugal, nomeadamente nesta semana, devem fazer descer o indicador drasticamente quando nova análise for publicada.

Na cauda desta lista, e certamente congratulando-se por isso, estão Finlândia (6,15), Dinamarca (10,99) e Chipre (11,26).

Do pior para a média em 14 dias

Os mapas do ECDC mostram que a situação em Portugal está atualmente bem longe do que há 14 dias. Segundo os mapas divulgados pelo organismo europeu, o país deixou de ter todo o território continental a vermelho, como só tinham os piores, para ser integralmente laranja.

Não será a cor ideal, mas dado aquilo que se passou, é já bem melhor.

Há duas semanas o cenário era este:

A par de Portugal Continental (refira-se que os Açores estão a amarelo), apenas República Checa, Estónia, Letónia e Eslovénia tinham todas as regiões vermelhas.

Passados 14 dias, o cenário é diferente:

António Guimarães