Portugal pode estar perto do esgotamento da capacidade de internamento em unidade de cuidados intensivos (UCI) covid-19. Quem o diz é o presidente da Sociedade Portuguesa de Cuidados Intensivos e responsável da Comissão de Acompanhamento da Resposta Nacional em Medicina Intensiva (CARMNI), que aponta um cenário difícil caso os números de hospitalizações se mantenha semelhante aos das últimas semanas.

Segundo João Gouveia, existem atualmente 877 doentes internados em estado grave em Portugal, número que, por agora, se poderá estender até entre 950 a 980 camas.

Ainda que reconheça que a situação é volátil, porque todos os dias se abrem mais camas, o também presidente da Associação de Médicos Intensivistas aponta que a capacidade de internamento em UCI covid-19 poderá atingir o limite no fim da primeira semana de fevereiro.

Contactado pela TVI24, João Gouveia traça um cenário negro para todo o território português, explicando que inicialmente foi estabelecida uma percentagem de 85% de taxa de internamento para doentes covid-19.

O especialista afirma que esse valor foi ultrapassado "há vários dias", e que atualmente se cifra em 92% a nível nacional.

Apesar disso, os dados para a grande maioria das regiões de Portugal Continental não são animadores, sendo que só o Algarve se encontra abaixo do valor definido.

Taxa de internamento em Portugal Continental
Região Taxa de internamento em UCI
Portugal Continental 92%
Norte 91%
Centro 90%
Lisboa e Vale do Tejo 97%
Alentejo 95%
Algarve 68%

João Gouveia refere que estes números são os mais recentes, mas admite que a taxa afeta ao Algarve pode ser já bem superior.

Estes números são referentes a doentes internados de nível 3 e nível 2. O nível 3 de UCI diz respeito a pacientes mais complexos, que apresentam mais de duas falências de órgãos, havendo necessidade de serem ventilados de forma invasiva, alguns em coma induzido.

Os doentes de nível 2 têm uma falência orgânica, e estão a ser ventilados de forma não invasiva, funcionando como uma forma de transição para um eventual internamento mais grave.

Para cada duas camas de nível 3 existe um enfermeiro, enquanto que no nível 2 há um enfermeiro para cada quatro camas.

Refira-se que a agência Reuters noticiou este sábado que Portugal tinha apenas sete camas disponíveis no Continente, citando dados do Ministério da Saúde.

Contactado pela TVI24, o ministério desmentiu os números da agência norte-americana, afirmando que são "uma interpretação sem qualquer adesão com a realidade".

O Ministério da Saúde reconhece ainda que os números de João Gouveia serão verdadeiros, remetendo para o facto de ele ser o responsável do (CARMNI).

No último boletim da Direção-Geral da Saúde estão notificados 843 internamentos, sendo que, segundo a Reuters, o país tinha apenas 850 camas disponíveis.

Portugal registou este sábado 293 mortes relacionadas com a covid-19 e 12.435 casos de infeção por SARS-CoV-2, atingindo, assim, as cinco mil mortes só no mês de janeiro, segundo a DGS.

António Guimarães