O Estabelecimento Prisional de Chaves tem 12 casos ativos de covid-19, seis dos quais trabalhadores, que estão em isolamento em casa, e seis reclusos, que estão internados no Estabelecimento Prisional do Porto, disse fonte do sindicato dos guardas prisionais à TVI.

À Lusa, a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) só confirmou 11 casos ativos de covid-19, ou seja menos um, que “envolvem cinco reclusos e seis trabalhadores”.

A TVI sabe que, além dos seis reclusos, estão infetados três guardas prisionais e três funcionários civis, entre os quais a diretora do EP, um educador e um trabalhador.

A diretora foi a primeira a testar positivo, apurou, ainda, a TVI.

No total, até 15 de setembro, foram já feitos 102 testes a 57 reclusos, 36 guardas prisionais e nove funcionários.

Os reclusos que testaram positivo foram transferidos para o Estabelecimento Prisional do Porto, que está preparado para receber doentes covid-19, enquanto os seis trabalhadores infetados recuperam em casa.

A DGRSP realça ainda que “por medida de precaução, e atendendo à situação epidemiológica local”, se mantêm “suspensas as visitas e deslocações de reclusos ao exterior”. Além disso, todos os restantes trabalhadores e reclusos vão ser novamente testados.

Serão novamente objeto de testagem na próxima semana, cumprindo-se deste modo os períodos temporais de testagem que a saúde pública define como suscetíveis para a incubação da doença”, acrescenta.

De acordo com o boletim epidemiológico da Unidade de Saúde Pública (USP) do Alto Tâmega e Barroso publicado na quarta-feira, há 43 pessoas em fase ativa da doença no concelho de Chaves, 22 a aguardar resultado laboratorial e 32 em vigilância ativa.

Juliana Maria / com Lusa