O Ministério da Segurança Social abriu um inquérito urgente para averiguar a suspeita de que 126 funcionários dos serviços e Setúbal, incluindo dirigentes, terão sido vacinado indevidamente. Os funcionários foram incluídos na lista de prioritários onde, nesta fase, só deveriam constar utentes de lares e funcionários que com eles contactam diretamente.

A ministra não teve conhecimento de qualquer vacinação. Perante as questões colocadas, foi determinada a abertura de um inquérito interno urgente ao Instituto da Segurança Social”, confirmou à TVI o gabinete de Ana Mendes Godinho.

De acordo com a notícia da SIC, a própria directora da Segurança Social de Setúbal, Natividade Coelho, terá sido vacinada.

A lista de pessoas que deveriam receber a vacina foi encaminhada pelo agrupamento de centros de saúde da Arrábida, que estranhou a sua composição, para a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. Apesar disso, os funcionários foram vacinados. 

Esta não é a primeira suspeita que recai sobre o processo de vacinação contra a covid-19. Também o INEM terá autorizado a vacinação indevida de diversos funcionários: para além de enfermeiros e tripulantes de ambulâncias, terão sido vacinados administradores, diretores, técnicos e técnicos superiores, de todos os elementos do gabinete de comunicação, informática e recursos humanos, assessores jurídicos e demais funcionários, da segurança à limpeza dos edifícios do INEM

Foram também noticiados diversos casos envolvendo autarcas e diretores de instituições sociais que terão passado à frente na lista de prioritários para a vacinação.

Maria João Caetano