O concelho de Reguengos de Monsaraz, no distrito de Évora, registou na quinta-feira o segundo dia consecutivo sem deteção de novos casos de Covid-19 relacionados com o surto num lar da cidade, informou esta sexta-feira o município.

O surto detetado a 18 de junho no lar da Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva (FMIVPS) já provocou 16 mortos, mas encontra-se, agora, “em resolução”, caso não existam novas cadeias de transmissão desconhecidas, refere a autarquia, citando a Autoridade de Saúde Pública.

Ainda assim, mantêm-se ativos 131 casos, 85 dos quais dizem respeito diretamente a funcionários (19) e utentes (66) do lar, enquanto os restantes 46 são casos de infeção na comunidade.

A atualização do boletim epidemiológico divulgada esta sexta-feira pela Autoridade de Proteção Civil de Reguengos de Monsaraz, de resto, não regista qualquer alteração em relação ao de quinta-feira, mantendo-se internados no Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) nove utentes do lar, cinco dos quais em cuidados intensivos, assim como o único caso comunitário a necessitar de cuidados hospitalares.

Da mesma forma, o número de casos curados relacionados com este surto mantém-se em 14, distribuídos entre cinco profissionais da FMIVPS e nove casos comunitários.

Entre as 16 vítimas mortais, 14 eram utentes do lar, uma era funcionária da instituição e outra registou-se entre os casos de infeção na comunidade.

Os números referem-se a um universo de cerca de 2.000 testes com resultados conhecidos até ao final do dia de quinta-feira, no qual foram recebidos aproximadamente 50 resultados.

A nota informativa emitida pela Câmara Municipal refere, ainda, que prosseguem esta sexta-feira os trabalhos de limpeza geral do lar de terceira idade para acolhimento, “logo que estejam curados”, dos utentes entretanto transferidos para um pavilhão montado para o efeito no parque de feiras e exposições da cidade.

A Área Dedicada Covid-19 de Reguengos de Monsaraz continuará em atividade no Pavilhão Polidesportivo da Escola António Gião (Escola Amarela), com testes e testes de cura na comunidade, de acordo com as decisões da Autoridade de Saúde Pública.

Com a situação no lar, o concelho de Reguengos de Monsaraz regista o maior surto no Alentejo da doença provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2.

Dois municípios espanhóis da província de Badajoz pediram o encerramento dos postos de fronteira que têm com Portugal até que haja um protocolo de saúde para responder ao surto de Covid-19 em Reguengos de Monsaraz.

Em Portugal, morreram 1.644 pessoas das 45.277 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

/ SS