Um homem de 22 anos foi detido, esta segunda-feira à noite, na ilha de São Miguel, nos Açores, por violar a quarentena a que estava obrigado. O homem, de nacionalidade indiana, soube que estava infetado com o novo coronavírus, no últimos dia 22 de março, quando estava no Porto. 

No dia 23, ficou em hospitalização domiciliária, mas viajou do Porto para Lisboa, onde apanhou, no domingo, um voo da TAP para São Miguel. 

À chegada aos Açores, foi encaminhado para uma unidade hoteleira, para onde são encaminhado todos os passageiros que chegam ao arquipélago, a fim de cumprirem quarentena. 

O homem, que terá ido para os Açores com a justificação de ir trabalhar para a construção civil, furou a quarentena e acabou detido esta segunda-feira à noite. Está agora hospitalizado, na condição de detido.

Em comunicado enviado às redações, a Autoridade de Saúde Regional informa que este homem, com infeção por coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença covid-19, "desembarcou no aeroporto de Ponta Delgada no domingo" e "na sequência de aviso emitido pela equipa médica que acompanhava o doente, o delegado de saúde concelhio de Ponta Delgada ativou os dispositivos estabelecidos, designadamente a intervenção das forças de segurança e o transporte do indivíduo para o Hospital do Divino Espírito Santo".

A Autoridade de Saúde dos Açores precisa que o homem "viajou no voo TP1867, que saiu de Lisboa com destino a Ponta Delgada", onde aterrou na manhã de domingo. Viajava no lugar 1D e "os demais passageiros se encontravam a uma distância de segurança".

O caso está a ser acompanhado pela delegação de saúde concelhia, em articulação com a Autoridade de Saúde Nacional e estão em curso os procedimentos definidos para caso confirmado e de vigilância de contactos próximos.

Governo regional apresenta queixa-crime

O presidente do Governo dos Açores deu orientações para a formalização de uma queixa-crime contra o passageiro que desembarcou em Ponta Delgada, proveniente de Lisboa, infetado com o novo coronavírus.

De acordo com nota do gabinete de Vasco Cordeiro, a queixa-crime será apresentada pela Secretaria Regional da Saúde, "tendo em conta que poderão estar em causa os crimes de desobediência, de falsas declarações e de propagação de doença".

O passageiro em causa incorre no crime de desobediência, punível com pena de prisão que poderá ir até dois anos e oito meses, por não ter respeitado o dever de confinamento a que estava sujeito por lei, uma vez que, no Porto, havia testado positivo para covid-19", prossegue o texto enviado à imprensa.

Os Açores têm 66 casos ativos da covid-19 (32 em São Miguel, 10 na Terceira, nove no Pico, sete em São Jorge, cinco no Faial e três na Graciosa) e um recuperado.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 70 mil.

Em Portugal, registaram-se 311 mortes e 11.730 casos de infeções confirmadas.

Luísa Couto / com Lusa - notícia atualizada às 14:07