Há um novo caso suspeito de infeção por coronavírus em Portugal, informou a Direção-Geral da Saúde em comunicado. Trata-se de uma mulher, proveniente de Milão, que foi encaminhada para o Hospital de São João. 

"A Direção-Geral da Saúde informa que foi validado um caso suspeito de infeção por novo Coronavírus (COVID-19) em Portugal, após avaliação clínica e epidemiológica. Trata-se de: uma doente proveniente de Milão, que foi encaminhada para o Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ). A unidade é um dos hospitais de referência para estas situações. A doente fica internada e serão realizadas colheitas de amostras biológicas para análise pelo CHUSJ", refere a nota da DGS.

É o 18.º caso suspeito no país. Até ao momento, não foi confirmada nenhuma infeção por coronavírus em Portugal. 

O único caso conhecido de um português infetado pelo novo vírus é o de um tripulante de um navio de cruzeiros que foi internado num hospital da cidade japonesa de Okazaki, situada a cerca de 300 quilómetros a sudoeste de Tóquio.

O número de novos casos diários confirmados de coronavírus no resto do mundo ultrapassou pela primeira vez o que se verifica na China, anunciou hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Com 411 casos na China e 427 no resto do mundo registados na terça-feira, "o número de novos casos fora da China ultrapassou pela primeira vez o número de novos casos na China", declarou o diretor-geral daquela agência das Nações Unidas, Tedros Ghebreyesus, na sede da organização em Genebra.

O balanço provisório da epidemia do coronavírus Covid-19 é de pelo menos 2.763 mortos e cerca de 81 mil infetados, de acordo com dados reportados por mais de 40 países e territórios.

Além de 2.717 mortos na China, onde o surto começou no final do ano passado, há registo de vítimas mortais no Irão, Coreia do Sul, Itália, Japão, Filipinas, França e Taiwan.

A Organização Mundial de Saúde declarou o surto do Covid-19 como uma emergência de saúde pública de âmbito internacional e alertou para uma eventual pandemia, após um aumento repentino de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão nos últimos dias.

/ BC