O número de mortes do surto de covid-19 no lar Mansão de São José, em Beja, subiu para seis, com a morte de mais três utentes, disse à agência Lusa fonte da unidade local de saúde.

As três utentes tinham 85, 96 e 99 anos e estavam internadas em enfermarias da área dedicada à covid-19, situada no piso 3 do Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, precisou a fonte da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA).

Segundo a fonte, atualmente, há 10 utentes do lar internadas em enfermarias da área dedicada à covid-19 do hospital.

O surto no lar Mansão de São José foi confirmado no dia 14 deste mês, depois de utentes e funcionários terem sido testados à presença do novo coronavírus que provoca a doença covid-19 e na sequência da confirmação de dois casos positivos, de uma utente e de uma funcionária.

O primeiro caso detetado no lar foi o de uma utente de 89 anos, que deu entrada no dia 12 deste mês no Serviço de Urgência do hospital de Beja, onde fez um teste de despiste da covid-19 que deu resultado positivo e foi internada.

Após ter sido detetado o primeiro caso, foram feitos testes de despiste aos restantes utentes e funcionários do lar, o que permitiu detetar mais 106 infeções.

Do total de 107 infetados no surto no lar, que apenas acolhe utentes do sexo feminino, seis utentes morreram e os restantes são 81 utentes e 20 funcionários.

Na sequência de uma decisão da autoridade de saúde, a maioria das utentes do lar, entre as quais duas não infetadas, foi transferida para o Centro de Acolhimento da Base Aérea N.º 11, perto da cidade de Beja.

As utentes foram transferidas com o objetivo de "descongestionar o espaço" do lar, que "aparentemente" tinha "pessoas em excesso", disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Beja, Paulo Arsénio.

Segundo o autarca, a Câmara de Beja e a Força Aérea Portuguesa estão a prestar os serviços necessários para cuidar das utentes instaladas no centro, que tinha vindo a ser preparado desde abril "precisamente para uma finalidade com estas características".

/ HCL