Lisboa vai "acelerar o processo de vacinação" contra a covid-19, anunciou o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, nesta terça-feira, António Lacerda Sales.

Lisboa e Vale do Tejo está ligeiramente mais atrasada na vacinação do que outras regiões, tendo 32% da população vacinada com pelo menos uma dose. Na região Centro, por exemplo, há 38% de população vacinada. Assim, haverá uma aceleração no processo de vacinação em Lisboa, começando na faixa dos 40 anos dia 6 de junho e na dos 30 anos a partir de 20 de junho", explicou o governante, na conferência de imprensa de anúncio de novas medidas preventivas para a região de Lisboa.

No entanto, a vacinação das faixas etárias dos 40 e dos 30 anos em junho estava já definida para todo o país e não apenas Lisboa, confirmou a TVI junto de fonte da task force.

Lacerda Sales disse que a "tendência crescente desde o início de maio" no número de novos casos é uma situação que preocupa as autoridades de saúde e que "deve ser encarada como um sinal de alerta e não de alarme".

Lisboa pode chegar aos 240 casos por 100 mil habitantes dentro de duas semanas

O concelho de Lisboa, onde o índice de transmissibilidade, o R(t), subiu para 1,14, com 143 casos por 100 mil habitantes, pode chegar dentro de duas semanas aos 240 casos por 100 mil habitantes. Os "jovens adultos", entre os 20 e os 40 anos, são o grupo etário onde se verifica mais novos casos, explicou o Diretor de Serviços de Informação e Análise da Direção-Geral da Saúde, André Peralta Santos, também presente na conferência.

Há um crescimento da incidência desde o início de maio para o concelho de Lisboa que é superior ao da região e ao do país, se o crescimento se mantiver é possível que o concelho atinja o patamar dos 240 casos por 100 mil habitantes dentro de duas a três semanas. os indivíduos em maior risco são realmente os adultos jovens", apontou.

Reforço da testagem em Lisboa

Paralelamente ao reforço da vacinação, vai ser reforçada a testagem já "a partir de 27 de maio" nas escolas, mas também com unidades móveis em vários pontos da cidade, concretamente em locais turísticos ou de grande concentração, como Bairro Alto, Cais do Sodré e 24 de Julho, mas igualmente em locais de intensa circulação, como na Gare do Oriente.

Na quinta-feira inicia o programa de testagem de alunos, docentes e não docentes das escolas secundários do concelho de Lisboa. Na semana seguinte, a 31 de maio e junho, está previsto o arranque da testagem de docentes e não docentes do pré-escolar, 1.º ciclo e secundário das escolas nos concelhos da região com incidência superior a 120 casos por 100.000 habitantes. A testagem em docentes e não docentes dos 2.º e 3.º ciclos, também nos concelhos com mais de 120 casos, está previsto para 14 a 18 de junho.

No ensino superior o reforço do programa de testagem em alunos, docentes e não docentes começa a 26 de junho, a mesma data para começar o programa de sensibilização e testagem em residências universitárias.

Há uma certa fadiga do confina desconfina (...), mas isto obriga-nos a investir na sensibilidade e sensibilização para que todas as pessoas de uma vez por todas se consciencializem que é também uma doença da civilidade, temos de ser civilizados e temos de ser solidários", defendeu o presidente do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), Fernando Almeida.

O reforço da testagem incide também, a partir do dia 31 de maio, com equipas móveis, nos setores da restauração, comércio, hotelaria e feiras, não numa lógica de “restaurante a restaurante, mas em regiões com aglomerados de restaurantes típicos”.

Vamos dirigir a nossa atenção através de unidades móveis, com a colaboração da Administração Regional de Saúde, da Câmara Municipal de Lisboa e equipas da Cruz Vermelha, no sentido de ter duas ações: testar e sensibilizar para a necessidade de distanciamento”, sublinhou Fernado Almeida, explicando que se pretende uma “testagem muito significativa”.

Os profissionais de entregas, táxi e TVDE também estão abrangidos por este reforço, já a partir de sexta-feira, com testagem "em proximidade nos locais onde estes profissionais exercem a sua profissão".
 

Catarina Machado