As autoridades de Bragança dispersaram no fim de semana, pelo menos, dois ajuntamentos com dezenas de pessoas que infringiam as regras impostas pela crise sanitária de Covid-19, divulgaram esta segunda-feira as forças de segurança.

O Comando Distrital da GNR de Bragança deu conta, em comunicado, de que fiscalizou e encerrou, no sábado, uma festa privada com cerca de 30 pessoas e também no sábado, já pela madrugada, a PSP evacuou um bar na cidade de Bragança onde se encontravam mais de 80 pessoas.

Ambas as situações deram origem a contraordenações com coima, que vai de 100 a 500 euros se o promotor do evento for singular e de 1.000 a 5.000 euros se for pessoa coletiva. A coima fica pelo valor mínimo se for paga voluntariamente no ato da infração, caso contrário o processo segue para a secretaria-geral do Ministério da Administração Interna que fixa os valores.

No caso da GNR, os militares detetaram a festa privada no decorrer do policiamento e, “após terem sido abordadas, as pessoas presentes no evento acataram as indicações e terminaram a festa, ausentando-se do local”.

Os militares da Guarda levantaram um auto de contraordenação ao proprietário do terreno, que pagou voluntariamente a coima.

Também na madrugada de sábado, a PSP levantou autos de contraordenação num bar da cidade de Bragança onde se encontravam mais de 80 pessoas. A operação foi filmada num vídeo que está a ser partilhado nas redes sociais.

O caso motivou também reações locais por a maioria dos presentes estarem associados à comunidade africana de estudantes do Instituto Politécnico de Bragança (IPB), onde nos últimos dias se têm registado vários casos positivos de infeção pelo novo coronavírus.

A associação de estudantes africanos já lançou vários apelos aos colegas para que cumpram as regras de segurança impostas pela pandemia.

Também o jovem atleta africano estudante do IPB, Braima Dabó, conhecido por ter amparado um colega numa prova de atletismo, se manifestou nas redes sociais pedindo aos colegas que saibam reconhecer o apoio que a cidade lhes tem dado e que acatem devidamente as normas e regras de segurança.

Ainda no distrito de Bragança, na semana passada, um homem de 26 anos foi detido, em Miranda do Douro, por desrespeitar a medida de confinamento obrigatório que lhe tenha sido decretada pela autoridade de saúde.

A detenção foi feita pela GNR que, na mesma zona, levantou quatro autos de contraordenação por falta de uso de máscaras ou viseiras em estabelecimento comerciais.

O distrito de Bragança aproxima-se dos 350 casos confirmados de infeção com o novo coronavírus e contabiliza 24 mortes associadas à Covid-19, sendo que desde maio não há registo de óbitos.

/ CE