O Comando Distrital de Setúbal da PSP instaurou um processo disciplinar à intervenção policial junto de um grupo de indivíduos a consumir bebidas alcoólicas na via pública, em infração às restrições impostas pelo estado de emergência, no Barreiro.

Segundo um comunicado hoje divulgado, após o visionamento de um registo parcial de imagens sobre a intervenção policial, “por subsistirem dúvidas quanto à conformidade dos procedimentos do uso da força executados, relativamente às regras em vigor na PSP, foi instaurado inquérito disciplinar”.

De acordo com a PSP, o incidente ocorreu na segunda-feira, cerca das 17:40, depois de ter sido alertada para a presença de um grupo de indivíduos em ajuntamento e a consumir bebidas alcoólicas na via pública, em infração às restrições impostas pelo estado de emergência, na rua Capitão Aviador Francisco Fernandes Carvalho, na cidade do Barreiro, no distrito de Setúbal.

 A PSP refere ainda que “um dos cidadãos abordados, que se encontrava a consumir bebidas alcoólicas, adotou uma postura de confrontação e oposição contra a ação policial, nomeadamente injuriando um dos polícias” e que o mesmo acabou detido depois de uma revista coerciva, dado que estava na “posse de haxixe e de uma arma branca proibida”..

Quando chegaram ao local, adiantou, os agentes “confirmaram que permaneciam na via pública diversos cidadãos, que foram abordados”, tendo um deles, que se encontrava a consumir bebidas alcoólicas, adotado “uma postura de confrontação e oposição contra a ação policial, nomeadamente injuriando um dos polícias”.

Havendo a suspeita de que o indivíduo tinha na sua posse estupefaciente, foi-lhe comunicado que iria ser sujeito a uma revista sumária, tendo este recusado submeter-se à mesma”, referiu a PSP.

De acordo com a polícia, os agentes “procederam à restrição do suspeito e a uma revista coerciva”, e encontraram na sua posse “haxixe e uma arma branca proibida, denominada ‘butterfly’”, pelo que o homem foi detido.

O detido, quer durante o transporte para as instalações policiais, quer no interior das mesmas, manteve sempre uma conduta exaltada, agressiva, proferindo ameaças constantes ao agente detentor”, acrescentou a PSP.

/ MJC