Os laboratórios privados estão a cobrar entre 100 e 200 euros para fazerem testes de despistagem ao novo coronavírus, de acordo com o jornal Público. Os testes não são comparticipados.

O médico patologista Germano de Sousa justificou ao mesmo jornal que o custo destes testes está relacionado com a sua importação do estrangeiro.

De momento a procura é pouca, mas com isto assim acredito que vá aumentar”, afirmou.

Num dos maiores laboratórios nacionais, o laboratório Dr. Joaquim Chaves, há uma média de 25 pedidos de testes por dia. Estes testes não precisam de receita médica e são feitos preferencialmente em casa de quem o solicita.

De acordo com o diretor técnico do laboratório Dr. Joaquim Chaves, Carlos Cardoso, a maioria das pessoas que pede o teste para despistar o novo coronavírus não tem sintomas - fazem-no porque viajaram recentemente para zonas onde já foi identificado o vírus. 

Já no grupo Germano de Sousa, os pacientes provêm de hospitais privados e apenas realizam os testes se houver indicação médica e receita a acompanhar.

O Público escreve ainda que na terça-feira, numa sessão de esclarecimento da Ordem dos Médicos, Margarida Tavares, especialista em doenças infecciosas, afirmou que, devido ao período de incubação deste vírus, “não faz sentido” realizar testes sem sintomas “porque hoje é negativo, mas pode ser positivo amanhã”.

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, informou, na semana passada, que há laboratórios privados que estão certificados e que devem seguir os protocolos para a realização dos testes, sublinhando que todos "estão obrigados por lei a notificar os casos positivos”.

A Diração-Geral da Saúde recomenda que caso uma pessoa regresse de uma zona de risco ou apresente sintomas ligue para a linha SNS24 (808 24 24 24) para que o caso seja despistado e seja averiguada a necessidade de fazer o teste. 

/ SS