O proprietário de um estabelecimento detido no domingo por desobediência às regras para o combate à covid-19, em Vizela, foi advertido pelo tribunal que se voltar a organizar uma festa ilegal ficará em prisão preventiva.

O arguido tinha sido detido após busca domiciliária a um espaço privado utilizado para atividade lúdica noturna naquele concelho do distrito do Braga.

Em comunicado, a GNR informa hoje que o detido, após ter sido presente ao Tribunal Judicial de Guimarães, ficou ainda sujeito às medidas de coação de pagamento de uma caução no valor de 15 mil euros e apresentações diárias no posto policial da residência e a proibição de posse de armas.

Na segunda-feira, a autoridade policial tinha informado que o Comando Territorial de Braga, através do Núcleo de Investigação Criminal de Guimarães, deu cumprimento no domingo a um mandado de busca domiciliária a um espaço privado utilizado para a prática continuada de atividade lúdica noturna no concelho de Vizela.

No seguimento de várias denúncias, foi possível apurar-se a prática continuada de atividade lúdica noturna num espaço privado durante os últimos fins de semana, que levava à concentração reiterada de cerca de 200 indivíduos no referido espaço, e cuja atividade o seu responsável já havia sido notificado para cessar", refere a GNR.

Na sequência da busca domiciliária, um homem de 47 anos, responsável pelo estabelecimento, foi detido.

Durante a busca, os militares da GNR apreenderam 12.647 euros em numerário, quatro telemóveis, uma espingarda de calibre 12, 30 munições de calibre 12, 40 munições de calibre 7,65 milímetros, 11 aparelhos de áudio e 400 garrafas de bebidas alcoólicas.

/ RL