A situação na região de Lisboa e Vale do Tejo "é complexa", assumiu a diretora-geral da Saúde, na conferência de imprensa de balanço diário da Covid-19, nesta terça-feira.

Segundo Graça Freitas, "estão sob vigilância 11.359 pessoas", número que inclui tanto os casos positivos como os seus contactos próximos.

Nas últimas 24 horas "foram notificados 209 novos casos" e, além do já conhecido surto no entreposto comercial da Azambuja, foram identificados "três pequenos focos" no Seixal, distrito de Setúbal.

O Bairro da Jamaica, confirmou Graça Freitas, "é um dos focos, com 16 casos positivos", mas no total foram já contabilizados 32 infetados. A maioria destes doentes "são jovens e saudáveis" e estão a ser "seguidos no domicílio", sublinhou.

Na área que é abrangida pelo agrupamento de centros de saúde de Almada/Seixal, foram identificados três pequenos focos comunitários, que, até à data, têm identificadas 32 pessoas como positivas. As autoridades de saúde deste agrupamento, a Câmara Municipal do Seixal e outros intervenientes têm atuado diretamente nos bairros onde se estão a passar estes fenómenos e têm atuado diretamente nos aglomerados familiares destas pessoas para tentar encontrar casos secundários e quebrar cadeias de transmissão", explicou.

A diretora-geral da saúde garantiu, porém, que a situação na região de Lisboa "está sob medidas de controlo muito apertadas", verificando-se "um grande esforço para identificar precocemente estes doentes".

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) tem feito um excelente trabalho", elogiou, ainda, Graça Freitas.

Estes 209 novos casos de infeção representam a quase totalidade dos 219 casos registados nas últimas 24 horas, a nível nacional, de acordo com o último boletim epidemiológico da DGS.

Casos em lares estão a diminuir

Portugal regista, presentemente, 285 casos de infeção em lares, número que “representa uma diminuição”, segundo o secretário de Estado da Saúde, indicando que 1.760 utentes testaram positivo, dos quais 190 estão internados em hospitais.

Quanto aos lares, registamos 285 casos de infeção por Covid-19, o que representa uma diminuição. São 11,3% do universo de ERPIs (estruturas residenciais para idosos). No Alentejo, por exemplo, já não há lares com casos positivos”, disse António Lacerda Sales.

 
Catarina Machado