A diretora-geral de Saúde, Graça Freitas, alertou, esta sexta-feira, que é fundamental manter hábitos adquiridos, depois de serem aliviadas as medidas do estado de emergência. Caso contrário, a curva que regista os casos de covid-19 e que "está controlada", vai "voltar a subir. 

Temos uma curva da doença controlada. O Serviço Nacional de Saúde tem tido a capacidade de responder de forma adequada às pessoas, de as testar, de as isolar, de detetar os seus contactos, de vigiar os seus contactos. Se adoecermos hoje com covid-19, o nosso sistema de saúde tem capacidade de nos atender e de cuidar de nós", sublinhou a diretora-geral de Saúde. 

Só conseguimos isto porque milhões de pessoas adquiriram uma nova forma de estar na vida e não podemos perder esse capital. Quando retomarmos as nossas atividades, temos de manter hábitos."

Graça Freitas diz que "temos de adquirir uma nova forma de viver quando não estivermos em estado de emergência".

Se não o fizermos, a nossa curva vai subir e o SNS vai ter dificuldade em dar resposta, porque o vírus continua a circular."

Por isso, sublinha, é fundamental manter o "distanciamento social, a higiene das mãos, a higiene das superfícies, a etiqueta respiratória e eventualmente a utilização de um método barreira".

Mesmo com testes serológicos ex-infetados têm de continuar a proteger-se

A diretora-geral da Saúde alertou que “todas as pessoas vão ter de continuar a ter as mesmas medidas de proteção” face à covid-19, mesmo que tenham tido a infeção ou realizado testes serológicos para aferir a imunidade.

Não vamos pensar que isto [os testes serológicos] é a resposta a todos os nossos anseios. É mais uma pista da ciência para perceber o grau de imunidade da população. São precisos resultados mais sólidos [sobre os testes]. Temos de agir em função do princípio da precaução”, disse Graça Freitas, na conferência de imprensa diária de atualização de informação sobre a pandemia.

Segundo a diretora-geral da Saúde, “a ciência indica que todas as pessoas vão ter de continuar a ter as mesmas medidas de proteção”.

A responsável assegurou que Portugal vai fazer estes testes e que os procedimentos serão adaptados conforme a evolução científica, mas alertou para um estudo “publicado há poucos dias”, segundo o qual foi detetado o surgimento de anticorpos em 14% da população infetada pelo novo coronavírus, mas “não se sabe se são suficientes para dar proteção [contra nova infeção covid] ou se a proteção será duradoura”.

Portugal contabiliza 854 mortos associados à covid-19 em 22.797 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

Relativamente ao dia anterior, há mais 34 mortos (+4,1%) e mais 444 casos de infeção (+2%).

Das pessoas infetadas, 1.068 estão hospitalizadas, das quais 188 em unidades de cuidados intensivos, e o número de casos recuperados passou de 1.201 para 1.228.

Portugal cumpre o terceiro período de 15 dias de estado de emergência, iniciado em 19 de março, e o Governo anunciou hoje a proibição de deslocações entre concelhos no fim de semana prolongado de 01 a 03 de maio.

Manuela Micael .