O Governo espanhol pede “desculpa” pela “confusão” e diz que vai proceder na quarta-feira à revisão de “todo o documento” que obriga a viajar com certificado de vacinação entre Portugal e Espanha, anunciou a porta-voz do executivo.

“O próprio ministério da Saúde [espanhol] já transmitiu que, efetivamente, no que diz respeito a deslocações por terra com Portugal, vai-se voltar aonde se estava. Quer dizer, não se vai requerer nenhum tipo de prova, nenhum tipo de protocolo adicional além do que já se pedia”, disse María Jesús Montero na conferência de imprensa depois da reunião do Conselho de Ministros espanhol.

O executivo espanhol recua assim nas suas intenções, depois de ter anunciado que “a partir de 7 de junho todas as pessoas com mais de seis anos que cruzem a fronteira terrestre entre Portugal devem dispor de alguma das certificações sanitárias exigidas a todos os passageiros que entrem em Espanha por via aérea e marítima".

Pedimos desculpa, no caso de se ter gerado alguma confusão”, disse a porta-voz, acrescentando que “o próprio Ministério [da Saúde espanhol] já disse que vai rever [a medida tomada]” e “amanhã [quarta-feira] vai-se rever todo o documento, para incorporar essa modificação”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, já tinha confirmado esta terça-feira à TVI24 que Espanha tinha corrigido ainda ontem o "lapso".

Recorde-se que, na segunda-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros sublinhou que foi apanhado de surpresa  e esclareceu que aquilo que foi acordado com os parceiros vizinhos “era facilitar a entrada de estrangeiros em Espanha, não de dificultar a entrada pela fronteira terrestre”.

Também o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, se congratulou com uma história que "acaba bem".

. / CP