A secretária de Estado Adjunta da Saúde, Jamila Madeira, anunciou esta quarta-feira, na habitual conferência de imprensa conjunta entre a DGS e o Ministério da Saúde, a maior compra de vacinas "de sempre" para a época gripal, com cerca de 2 milhões de vacinas.

Este número corresponde a um aumento de 38% da aquisição, sendo que as vacinas destinam-se, essencialmente, a proteger os portugueses "mais vulneráveis" contra a gripe.

Sobre a pandemia do novo coronavírus, Jamila Madeira admite que o essencial, nesta fase, é não perder o foco, seja por razões ligadas à dimensão económica ou à dimensão emocional.

Hoje sabemos que não podemos nem perder o foco, nem esquecer que estamos no meio de uma pandemia", considerou a secretária de Estado adjunta.

Número de testes realizados acompanha evolução da epidemia

No âmbito do número de testes efetuados à Covid-19, Jamila Madeira garantiu que Portugal teve um grande foco de rastreio pós-confinamento.

A pandemia tem esta volatilidade de dinâmica, a que corresponde a testagem e, comparativamente com outros países europeus, estamos entre aqueles que mais testam", explicou.

Também a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, afirmou que o número de testes de diagnóstico da covid-19 realizados em Portugal acompanha a evolução da situação epidemiológica, justificando o menor reforço da testagem com a diminuição do número de sintomáticos.

É natural que à medida que a nossa epidemia vai tendo menos pessoas que apresentam sintomas, sejam testados menos indivíduos do que estavam a ser testados antes”, explicou Graça Freitas.

"Questão dos bares não é uma questão em abstrato"

Questionada sobre as declarações do secretário de Estado em relação à abertura de bares e discotecas, a diretora-Geral de Saúde, Graça Freitas, admitiu que esta não é uma questão em "abstrato".

Não é uma questão de abrir ou não abrir, é uma questão de cumprir regras", considerou Graça Freitas.

Para a diretora-geral de Saúde, é preciso, no entanto, haver um compromisso das empresas para que as regras de saúde pública sejam cumpridas.

O número de mortos por Covid-19 em Portugal subiu para 1.543, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), divulgado nesta quarta-feira.

Rafaela Laja