As autoridades de saúde já detetaram 22 alojamentos sem condições para acolher trabalhadores sazonais no concelho de Odemira, avançou esta segunda-feira o autarca José Alberto Guerreiro.

Em declarações aos jornalistas, no final de uma reunião de coordenação da ‘task force’ do concelho que acompanha a situação da covid-19, o presidente da Câmara de Odemira adiantou que as autoridades de saúde estão a realizar inspeções em residências e quintas no concelho e alerta: "A cerca é para levar a sério".

O Governo decidiu decretar uma cerca sanitária às freguesias de São Teotónio e de Almograve, no concelho de Odemira, devido à elevada incidência de casos de covid-19, sobretudo em trabalhadores imigrantes do setor agrícola, anunciou na quinta-feira António Costa.

Relativamente à cerca estamos tranquilos, está tudo a funcionar com alguma normalidade", à exceção de algumas exceções, como o caso de "alguns trabalhadores que tentaram quebrar a cerca sanitária dentro de um carro frigorífico", indicou.

O autarca indicou que foram “efetuadas, até ao momento, 22 vistorias, no total, a situações identificadas de menor salubridade”, incluindo “obviamente algumas habitações em sobrelotação”.

Neste momento, as informações estão recolhidas, foi definido o procedimento de evacuação de algumas [dessas habitações] e de redução do número de habitantes noutros casos”, acrescentou.

Contudo, José Alberto Guerreiro ainda não sabe, ao certo, quantas pessoas residem nesses locais sem condições. Por outro lado, afirma que as autoridades vão proceder à testagem dos trabalhadores nas próximas 24 horas.

No final da reunião desta segunda-feira, na qual participou o Alto Comissariado para as Migrações (ACM), o autarca de Odemira insistiu que cabe às autoridades de Saúde decidir quando devem ser transferidas pessoas com covid-19 para a Pousada da Juventude de Almograve ou para isolamento profilático no complexo turístico Zmar, mas afiançou que “será seguramente até amanhã” que essa transferência arranca, ou seja, até terça-feira.

Amanhã, certamente que haverá já situações operacionalizadas”, frisou, adiantando também que o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, vai participar numa reunião, em Odemira, na terça-feira.

José Alberto Guerreiro disse que “os números” da covid-19 “estão a baixar” no concelho, mas admitiu não ter qualquer indicação sobre um prazo para o fim da cerca sanitária.

"Há um conjunto de negócios estranhos"

A Polícia Judiciária está a investigar crimes de tráfico humano, escravatura e auxílio à imigração ilegal em Odemira, sabe a TVI.

O presidente da Câmara de Odemira foi um dos que denunciou a situação à PJ, nomeadamente as suspeitas que estão na base da existência de “muitos trabalhadores migrantes” no concelho.

Não pode continuar a acontecer. A coberto da atividade agrícola, há um conjunto de negócios estranhos que levam a que se procedam a transação de habitações e automóveis de alta cilindrada em notas", afirmou, considerando que há matéria suficiente para ser analisada em comissão na Assembleia da República.

Rafaela Laja