O Centro Paroquial de Seia, no distrito da Guarda, decidiu encerrar o jardim de infância e a creche depois de cinco funcionárias terem testes com resultado positivo à covid-19, anunciou hoje a instituição.

O presidente da direção do Centro Paroquial de Seia, Joaquim Pinheiro, disse à agência Lusa que as valências de creche e de jardim de infância da instituição não reabriram, na terça-feira, após cinco das oito funcionárias do ensino pré-escolar terem apresentado teste positivo para o novo coronavírus, que provoca a covid-19/para o SARS-CoV-2, vírus da covid-19.

Tivemos conhecimento que uma funcionária da valência do pré-escolar teria estado em contacto com uma pessoa contagiada e avançámos com testes para as funcionárias e alguns acusaram positivo e tomou-se a decisão de encerrar o pré-escolar e a creche, embora funcionem em edifícios diferentes”, relatou o responsável.

Acrescentou que foi decidido encerrar a creche, onde não há casos de funcionárias infetadas, “por medida de precaução”.

Joaquim Pinheiro disse ainda que as funcionárias com testes positivos à covid-19 estão assintomáticas.

O resultado dos testes foi conhecido na segunda-feira à noite e, na terça-feira, as duas valências do Centro Paroquial de Seia, que apoiam cerca de 100 crianças, já não reabriram.

As autoridades de saúde irão dizer quando haverá condições para reabrirem de novo”, disse.

No município de Seia regista-se outro foco de infeção na Estrutura Residencial Para Idosos (ERPI) da Associação de Beneficência do Sabugueiro, que atingiu 21 utentes e seis trabalhadores.

Segundo o presidente da direção, Mário Branquinho, “o primeiro sintoma foi verificado no dia 30 de outubro e de imediato foram efetuados testes a todos os idosos e funcionários e desencadeados todos os mecanismos”.

Na ERPI do Sabugueiro 21 de um total de 40 utentes e seis dos seus 24 trabalhadores apresentaram resultado positivo ao novo coronavírus, estando “alguns assintomáticos e três com sintomas ligeiros”.

Os utentes infetados permanecem num dos pisos do edifício, enquanto os idosos com teste negativo “foram retirados de imediato para o hostel, propriedade da instituição”, disse.

Os pisos da ERPI que neste momento não recebem utentes já foram desinfetados, em articulação com as autoridades competentes e os infetados estão sob “vigilância apertada”.

Hoje vamos fazer novamente testes aos [utentes e funcionários] que deram negativo, para despistar algum falso negativo”, concluiu Mário Branquinho.

Em comunicado, a Câmara Municipal de Seia indica que foi registado um aumento do número de casos ativos de covid-19 no concelho, que passou de 15 para 57, entre os dias 29 de outubro e 3 de novembro, devido ao surto na ERPI da Associação de Beneficência do Sabugueiro.

A autarquia refere que está a acompanhar, de forma permanente, “todas estas situações, dos processos de testagem aos procedimentos básicos de controlo da infeção, em estreita articulação com as instituições e as autoridades de saúde”.

/ CE