Durante cinco anos, um grupo de 79 indivíduos conseguiu manter um esquema para enganar as seguradoras, que passava por encenar acidentes na zona da grande Lisboa e do Ribatejo e, assim, lucrar com a perda total dos automóveis.

De acordo com o Ministério Público, o esquema começou com uma dezena de homens ligados a oficinas que foram ajudados nos acidentes, pelos restantes suspeitos.

Os desastres aconteciam durante a noite, em locais mal iluminados, mas nunca se verificaram feridos. Depois dos choques e despistes, os sinistros eram participados às seguradoras com declarações amigáveis e os carros eram deixados nas oficinas que faziam parte da rede.

A rede vai agora ser julgada por ter lesado oito seguradoras em mais de 1,5 milhões de euros com falsos acidentes. Os arguidos são acusados de burla relativa a seguros e falsificação de documentos. O mais velho dos arguidos tem 85 anos.

O julgamento começa a 5 de dezembro.