A Diretoria do Norte da Polícia Judiciária (PJ) deteve dois homens “fortemente indiciados” pela prática de roubo e sequestro. Os crimes terão ocorrido a 10 de março em Brufe, Famalicão, sendo a vítima uma professora

Em comunicado, a PJ refere que três homens abordaram a vítima no exterior da sua habitação, ao início de uma tarde, e forçaram-na a dirigir-se para o interior de casa. Aí manietaram-lhe os pés e as mãos com fita adesiva e roubaram-lhe cerca de mil euros e vários objetos em ouro.

De acordo com os elementos apurados na investigação, um dos autores, em momento anterior aos factos, aproximou-se da vítima, uma professora a passar por problemas graves de saúde, ficando a conhecer a sua situação pessoal e patrimonial”, refere o comunicado da PJ.

Acrescenta que esse arguido, sabendo das “fragilidades emocionais” da vítima, conseguiu convencê-la a emprestar-lhe várias dezenas de milhar de euros para alegados negócios, dinheiro que nunca devolveu.

Posteriormente, “em conluio” com os outros dois suspeitos, levou a cabo o roubo e sequestro da professora.

Um já preso, outros agora detidos

Segundo a PJ, um dos suspeitos encontra-se já em prisão preventiva pela presumível autoria de uma burla milionária a empresária. Do mesmo modo, neste caso, terá ocorrido uma “situação em que também se verificou um envolvimento afetivo que condicionou o comportamento da vítima”.

Os dois homens agora detidos, com 42 e 51 anos, são um empresário e um comerciante. Residem no Grande Porto e têm antecedentes criminais por crimes contra o património. Vão ser levados a tribunal para primeiro interrogatório judicial e aplicação das respetivas medidas de coação.