A Polícia Judiciária levou esta manhã de terça-feira a cabo uma operação de buscas na Associação Comercial do Porto, na Fundação da Juventude, no Porto, no Instituto dos Vinhos do Douro, também no Porto, e no Instituto do Vinho, Bordados e Artesanato, na Madeira, por suspeitas de crimes de corrupção, participação económica em negócio, e branqueamento de capitais, sabe a TVI.

Idênticas diligências tiveram lugar em sociedades comerciais e num escritório de advogados, avançou a PJ.

Em causa, a violação de regras da contratação pública, com eventuais contrapartidas para decisores ligados ao setor do Estado.

A investigação é da unidade de combate à corrupção e do DCIAP.

Serviços fornecidos à Fundação da Juventude por terceiros

A Fundação da Juventude afirmou esta terça-feira que as buscas realizadas pela Polícia Judiciária nas instalações do Porto se prenderam com o fornecimento de serviços à fundação, “há vários anos atrás”, por parte de entidades também alvo de investigação.

Em resposta à agência Lusa, a Fundação da Juventude confirmou que a sua sede no Porto foi alvo de buscas esta manhã por parte da PJ e que a equipa “prestou toda a colaboração e esclarecimentos”.

Segundo o que foi possível apurar pela Fundação, as buscas estiveram relacionadas com “o fornecimento de serviços à Fundação da Juventude, há vários anos atrás, por parte de entidades terceiras, alvo de investigação”.

“A Fundação da Juventude continuará a prestar às autoridades competentes toda a informação necessária para o bom prosseguimento da investigação”, acrescenta.

Contactada pela Lusa, a Associação Comercial do Porto remeteu esclarecimentos para mais tarde.

 

Henrique Machado / Com Lusa