Nuno Botelho, presidente da Associação Comercial do Porto, é o principal visado da investigação que esta terça-feira levou a buscas da Polícia Judiciária por suspeitas de crimes de corrupção, participação económica em negócio e branqueamento de capitais, sabe a TVI.

Há suspeitas de que possa acumular o cargo público  com interesses pessoais em empresas da sua esfera privada, que celebram contratos com o Estado.

Ainda não há arguidos constituídos. 

A investigação visa uma série de ligações, numa alegada teia de relações de promiscuidade que podem violar as regras da transparência na contratação pública. 

As buscas passaram por várias empresas, por sociedades de advogados, e, além da Associação Comercial do Porto, em que o presidente era o alvo, os inspetores da PJ estiveram ainda na  Fundação da Juventude, no Porto, no Instituto dos Vinhos do Douro, também no Porto, e no Instituto do Vinho, Bordados e Artesanato, na Madeira.

Em comunicado, a Associação Comercial do Porto diz ignorar os motivos das buscas e não são prestadas mais declarações.

Henrique Machado