O homem de Espinho suspeito de ter abusado sexualmente da enteada menor ficou em prisão preventiva enquanto a mãe está proibida de contactar e de aproximar-se da filha, disse esta sexta-feira à Lusa fonte da Polícia Judiciária.

Na quinta-feira, a PJ deteve um casal de Espinho, no distrito de Aveiro, ele de 43 anos, operário fabril, e a mulher de 39 anos, auxiliar de ação médica.

Os suspeitos conheceram esta sexta-feira as medidas de coação, após terem sido presentes a interrogatório judicial, acrescentou a fonte.

Por seu lado, a jovem, de 14 anos, foi encaminhada para uma casa de acolhimento, referiu ainda a fonte da polícia de investigação.

Na sequência de denúncia por parte da menor de 14 anos, a Polícia Judiciária tomou conhecimento de que o padrasto terá iniciado os abusos quando a menor tinha ainda seis anos de idade, na residência familiar, em Espinho”, referia a nota de imprensa da PJ na quinta-feira.

De acordo com os investigadores, os atos sexuais terão ocorrido com conhecimento da progenitora, que se terá conformado com a situação, não afastando o agressor, nem denunciando os crimes.