A Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) anunciou esta quinta-feira que vai receber 10 milhões de euros da União Europeia para comprar testes rápidos de diagnóstico da covid-19 e material médico no âmbito de um apoio da União Europeia.

Este apoio está integrado num montante total de 35,5 milhões de euros atribuído pela Comissão Europeia à Cruz Vermelha para investir em sete países para aumentar a capacidade de testagem à covid-19.

Em comunicado, a CVP refere que a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRC) assinou um acordo com a Comissão Europeia, financiado pelo Instrumento de Apoio a Emergências (ESI), para aumentar o número de testes de diagnóstico da covid-19 que vão ser realizados pelas sociedades nacionais da Cruz Vermelha de Portugal, Áustria, Alemanha, Grécia, Itália, Malta e Espanha.

A CVP precisa que, em toda a Europa, as Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho estão a apoiar os sistemas nacionais de saúde no controlo e prevenção da pandemia.

Segundo a CVP, o financiamento da Comissão Europeia vai apoiar “a formação de técnicos e permitirá o acesso a equipamento, materiais médicos e testes rápidos de antigénio para apoio ao trabalho das autoridades de saúde nacionais”.

Citada no comunicado, a diretora regional da IFRC para a Europa, Birgitte Ebbesen, disse que centenas de milhares de voluntários da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho na Europa e na Ásia Central estão a trabalhar incansavelmente para conter a propagação da pandemia.

O presidente da CVP, Francisco George, reforçou a importância deste apoio na sociedade portuguesa.

À Cruz Vermelha Portuguesa foi atribuída a verba de 10 milhões de euros, de um montante total de 35,5 milhões, o que representa uma grande ajuda para as respostas de controlo e prevenção da Pandemia. Com este apoio vamos continuar a apoiar o Estado, as portuguesas e os portugueses”, refere Francisco George.

A CVP salienta ainda que a verba servirá para comprar testes rápidos, material médico e para apoio à operacionalização de novas estruturas para garantir que mais pessoas são testadas em menor espaço de tempo.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.350.275 mortos resultantes de mais de 56,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.701 pessoas dos 243.009 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

/ RL