Desde o início do ano, mais de 30 organismos públicos, entre eles Autarquias, Juntas de Freguesia e escolas, foram vítimas de piratas informáticos. Em regra, os hackers exigem um resgate para devolverem os dados roubados.

O fenómeno afeta sobretudo empresas, mas não poupa os organismos do Estado.

O ataque chega muitas vezes sob a forma de um e-mail que, quando é aberto por um funcionário, garante acesso a toda a rede informática da organização e respetivos dados.

Os hackers copiam a informação e depois enviam uma mensagem a exigir dinheiro em troca da libertação dos dados.

De acordo com números do Centro Nacional de Cibersegurança, avançados pelo Jornal de Notícias, foram registados 21 casos deste tipo de crime, mas estes são apenas os denunciados. Em investigação estarão mais uma dezena.