Os 33 militares portugueses que estão no Iraque vão regressar antecipadamente a Portugal devido ao surto do novo coronavírus, com chegada prevista para o final de março, anunciou o Ministério da Defesa Nacional (MDN).

"Não havendo condições para assegurar integralmente a saúde das forças no terreno, as autoridades iraquianas decidiram suspender todas atividades de formação e treino das suas Forças Armadas e de Segurança até à segunda quinzena de maio", lê-se numa nota do MDN enviada às redações.

Por essa razão, "foi decidido fazer regressar os 31 militares estacionados no `Besmayah Range Complex´, base militar a 50 quilómetros da capital, Bagdad, e os 2 militares colocados no corpo diplomático da missão", que terminava em abril do presente ano.

Integrados no contingente português no Iraque mas a desempenhar funções no país vizinho Kwait vão manter-se neste teatro de operações dois militares, acrescentou o ministério.

Portugal registou os primeiros casos confirmados no dia 02 de março, encontrando-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Hoje, subiu para 60 o número de mortes associadas à covid-19, mais 17 do que na quarta-feira, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral de Saúde, registando 3.544 casos de infeção.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 450 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 20.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

/ BC