Um prédio desabou na manhã deste domingo na Rua de Santa Marta, em pleno centro de Lisboa. No local estão vários meios dos Bombeiros Voluntários Lisbonenses e dos Sapadores.

A derrocada deu-se na sequência de uma forte explosão. Há registo de pelo menos cinco feridos, um deles em estado grave devido a queimaduras. As vítimas foram transferidas para o Hospital de São José, sendo que quatro dos feridos já tiveram alta. Há ainda uma pessoa desparecida.

O edifício tem um total de nove residentes, sendo que dois deles não estariam no local à hora da ocorrência. A Proteção Civil tenta agora perceber onde está o outro morador, depois de ter localizado um outro. O prédio, que tinha quatro andares, está em risco de desabar por completo, pelo que as autoridades não têm condições para efetuar buscas por eventuais sobreviventes. Em ação estão os cães pisteiros, que procuram possíveis vítimas da derrocada.

Há cinco pessoas feridas e falta confirmar se são pessoas do edifício ou se estavam a passar. Temos a suspeita que faltam duas pessoas. Vamos avançar com a equipa cinotécnica do regimento de sapadores bombeiros para apurar se essas pessoas estão ali ou não”, disse o vereador.

O vereador da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Manuel Castro, admite que a explosão possa ter ocorrido na sequêncida de uma fuga de gás. A fachada do prédio ficou completamente destruída, ficando o edifício sem condições de habitabilidade.

Foram retiradas 47 pessoas dos ediífcios adjacentes por uma questão de precaução. A parte da frente do edifício ruiu e várias projeções atingiram o Hospital de Santa Marta, disse o vereador o vereador da Proteção Civil da Câmara de Lisboa, Carlos Castro.

O Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central (CHULC) assegurou que os doentes e profissionais no Hospital de Santa Marta estão "todos bem" e que que a explosão num prédio na rua de Santa Marta apenas causou danos materiais.

Os doentes internados estão todos bem, assim como os profissionais do hospital”, disse à agência Lusa fonte oficial do CHULC, que integra os hospitais de São José, Santa Marta, Capuchos, Curry Cabral, D. Estefânia e Maternidade Alfredo da Costa.

Segundo a mesmo fonte, a explosão que ocorreu num edifício em frente ao Hospital de Santa Marta não afetou nenhum serviço de internamento, tendo apenas causado danos materiais na fachada, nomeadamente vidros partidos, caixilharia e portas danificadas.

Trata-se do edifício número 41/42, sendo que alguns destroços da derrocada atingiram carros que estavam na via pública.

Ao que a TVI apurou junto dos Bombeiros Sapadores de Lisboa, estão no local pelo menos 40 bombeiros apoiados por 20 viaturas.

O alerta para a ocorrência foi dado às 07:42.

António Guimarães