Um casal de idosos, com cerca de 80 anos, ficou este sábado desalojado devido ao desmoronamento de uma das paredes da sua habitação, na aldeia de Barretos, no concelho de Marvão (Portalegre), revelou a Proteção Civil.

O Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Portalegre explicou que o alerta para a ocorrência, causada pelo mau tempo, foi dada aos bombeiros por volta das 14:20.

“Uma das paredes da habitação desmoronou”, desalojando o casal, “na casa dos 80 anos”, mas sem lhes provocar qualquer ferimento, disse o CDOS.

Os dois idosos “ficam em casa de familiares até o Município de Marvão resolver a situação”, acrescentou.

Para o local, foram mobilizados sete operacionais, apoiados por três viaturas, dos bombeiros, GNR, câmara municipal e EDP.

No distrito de Portalegre, o mau tempo, com vento forte e precipitação, provocou, ao longo do dia, a queda de árvores e de estruturas móveis, pequenas inundações, deslizamentos de terras e danos ou quedas de redes de fornecimento elétrico, mas sem causar danos significativos.

Segundo o CDOS, neste distrito, mantêm-se cortados, desde quinta-feira, troços de três estradas municipais, como medida de precaução, devido ao aumento dos caudais de ribeiras.

No distrito de Évora, de acordo com a página de Internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, também se registaram este sábado, sobretudo durante a madrugada e a parte da manhã, pequenas inundações, quedas de árvores, desabamento de estruturas ou deslizamentos de terras.

No distrito de Beja, igualmente sem danos, verificaram-se algumas quedas de árvores, tal como em alguns dos concelhos do litoral alentejano, onde a Proteção Civil contabilizou ainda pequenas inundações.

Os fortes efeitos do mau tempo, que se fazem sentir desde quarta-feira, já provocaram dois mortos, um desaparecido e deixaram 144 pessoas desalojadas, registando-se 9.500 ocorrências no continente português, sobretudo inundações e quedas de árvore.

O mau tempo provocado pela depressão Elsa, entre quarta e sexta-feira, a que se juntou hoje o impacto da depressão Fabien, provocou também condicionamentos na circulação rodoviária e ferroviária, bem como danos na rede elétrica, afetando a distribuição de energia a milhares de pessoas, em especial na região Centro.

No balanço realizado às 13:00 de hoje, a Proteção Civil indicou que a situação no rio Mondego é a mais preocupante, estando a decorrer evacuações para prevenir os efeitos de eventuais cedências de diques.

O IPMA já havia alertado para os efeitos da depressão Fabien, em especial no Norte e no Centro. Prevê-se uma melhoria gradual do estado do tempo a partir de domingo.

Os distritos do Porto, Viana do Castelo, Aveiro, Coimbra e Braga vão estar entre as 21:00 de hoje e as 12:00 de domingo em aviso vermelho, devido à agitação marítima, a que se soma Vila Real, por causa de fortes rajadas de vento, que podem atingir 140 quilómetros/hora.

/ MM