A circulação ferroviária no troço da Linha do Norte entre Pampilhosa e Coimbra vai manter-se interrompida pelo menos até ao final da manhã de segunda-feira, após um descarrilamento no sábado, informou este domingo a Infraestruturas de Portugal.

A Infraestruturas de Portugal, empresa que resultou da fusão da REFER com a Estradas de Portugal, informou este domingo em comunicado que, "da avaliação já realizada pelos técnicos no local, conclui-se que a desobstrução das vias e intervenção para a reparação dos estragos que permita o restabelecimento da circulação ferroviária se irá prolongar pela noite de domingo [hoje] e, pelo menos, durante a manhã de segunda-feira".

A Infraestruturas de Portugal refere que, imediatamente após o descarrilamento, deslocou para o local "os meios técnicos e deu inicio aos trabalhos de remoção e limpeza da via, com vista à reposição das condições de circulação com a maior brevidade possível".

Contudo, adianta a empresa, "face à quantidade e dimensão dos materiais acidentados (um total de 10 vagões, alguns deles cisternas carregadas de cimento), os trabalhos revestem-se de elevada complexidade e morosidade não sendo ainda possível adiantar quando se poderão dar por concluídos".

De acordo com o comunicado, o descarrilamento provocou "extensos danos na via e catenária".

A Infraestruturas de Portugal  diz ainda que fará uma atualização da informação na segunda-feira, pelas 09:00.

CP mantém transporte rodoviário de passageiros

A linha ferroviária do Norte está cortada à circulação, depois do descarrilamento de um comboio de mercadorias, desde as 18:10 de sábado,  junto a Adémia, Coimbra, que não causou feridos.

Os passageiros que planeiam utilizar a linha ferroviária do Norte têm de recorrer ao autocarro para fazer o trajeto entre Coimbra e Pampilhosa.

A CP já tem estado a fazer o transbordo rodoviário entre Coimbra B e Pampilhosa. Regra geral, os passageiros percebem o que aconteceu e que essa é a solução, segundo os testemunhos que a TVI recolheu e que pode ver, na íntegra, no segundo vídeo associado a este artigo.
 

Temos de fazer aqui um desviozinho, ninguém tem culpa. São coisas que acontecem. Não houve feridos e mortos, é melhor assim"

 

Só me chateia andar com as malas de um lado para o outro, mas tem de ser"

 

Se estão a fazer este transbordo até lá e conseguirem cumprir os horários é tudo na boa"

 

Não nos podemos queixar, dado que não é uma coisa que possam controlar"

O Comando Distrital de Operações de Socorro de Coimbra indicou que o comboio transportava cimento.

O acidente não provocou feridos, sendo que ainda não foram apuradas as causas do que aconteceu.

Técnicos da Infraestruturas de Portugal (empresa que resultou da fusão da REFER com a Estradas de Portugal), estão a proceder a operações de limpeza, acompanhados por uma patrulha da GNR.

O trânsito automóvel não foi afetado na zona do descarrilamento.