As carruagens e as estações do Metropolitano de Lisboa estão a ser desinfetadas com um produto que tem efeito durante um mês, avançaram no sábado o ministro do Ambiente e o Metro, estimando que o processo termine na quarta-feira.

Falando aos jornalistas no sábado à noite, na estação do Metro de Telheiras, no âmbito desta ação de desinfeção que já começou nas linhas Verde e Vermelha, o ministro do Ambiente, Matos Fernandes, avançou que a limpeza estará concluída até segunda-feira apenas nas estações destas linhas.

Quanto aos comboios, o governante adiantou que já começaram a ser desinfetados na sexta-feira, estando a limpeza concluída em 75 carruagens e estimando a conclusão da desinfeção das restantes até segunda-feira.

Fonte oficial do Metro acrescentou que todas as estações - Verde, Vermelha, Azul e Amarela - estarão desinfetadas até quarta-feira.

Este, de facto, é um produto muito eficaz, um produto que mata todos os micro-organismos e, portanto, bactérias e vírus, e que consegue durante um mês essa mesma segurança. Há uma película que é formada em torno das superfícies onde ele for aplicado”, explicou Matos Fernandes.

Ainda assim, o ministro do Ambiente salientou que esta ação de desinfeção, realizada no âmbito da pandemia de Covid-19, não visa “convidar ninguém a andar nos transportes públicos”.

Nós sabemos é que os transportes públicos são fundamentais para que o país continue a funcionar”, vincou, acrescentando que, apesar da redução na procura, a oferta manter-se-á.

“Porque ao não reduzir oferta temos também mais superfície nos próprios comboios do metropolitano e as pessoas podem viajar mais afastadas umas das outras. E com isso, de facto, estamos a reduzir bastante aquilo que é a probabilidade de contágio no próprio metro”, justificou, referindo que, na sexta-feira, o Metro de Lisboa “teve cerca de um quarto dos passageiros que é normal ter num dia normal”.

Estas ações de desinfeção vão também chegar ao Metro do Porto a partir de segunda-feira e aos navios da Transtejo e da Soflusa a partir de terça-feira, informou Matos Fernandes, considerando que se trata de “um aumento de segurança muito grande”.

De acordo com uma nota enviada pelo Metro de Lisboa, o produto que está a ser utilizado denomina-se Microbe Shield Z-71, da marca Zoono, e revela “uma eficácia superior a 99,99% ao fim de cinco minutos”.

O mesmo comunicado indica que o desinfetante “não contém álcool ou produtos químicos nocivos” e “revela-se mais eficaz do que os outros desinfetantes com uma ação duradoura e prolongada, mantendo-se ativo o efeito biocida até 30 dias”.

“Nos comboios, o desinfetante será aplicado nas cabines de condução do maquinista e nos salões de passageiros, nomeadamente nos bancos, varões, pegas, vidros e outras superfícies. Nas estações, erá aplicado nos corrimãos das escadas fixas e mecânicas, mobiliário de estação, máquinas automáticas de venda de títulos, cabines e postos de venda, elevadores e outras instalações”, especifica o mesmo comunicado.

O Metro de Lisboa refere ainda que esta ação de desinfeção deverá ser realizada durante um período de seis meses.

O novo coronavírus foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 5.700 mortos em todo o mundo.

O número de infetados ultrapassou as 151 mil pessoas, com casos registados em 137 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 169 casos confirmados.

/ SS