Cerca de 30 pessoas juntaram-se esta terça-feira em frente ao Ministério das Infraestruturas e Habitação, em Lisboa, para exigir “uma alternativa prévia de habitação” para uma família em risco de despejo, ao que a tutela se comprometeu a intervir.

Neste âmbito, a secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho, recebeu a família e ouviu a sua história, assumindo o compromisso de sinalizar o caso junto das entidades competentes, “de forma a estas analisarem a situação e verificarem da possibilidade e disponibilidade de uma solução de emergência para a família em causa, sem pôr em causa o que são os procedimentos e normais regulamentos de acesso à habitação pública”.

Comprometeu-se ainda a fazer o ponto de situação do andamento do processo na próxima sexta-feira”, avançou fonte do gabinete do Ministério das Infraestruturas e Habitação, em resposta à agência Lusa.

Com três filhos, dois de 13 e um de 17 anos, Julieta e Pedro Salgado, que moram na zona da Bica, em Lisboa, podem ser despejados a partir da próxima segunda-feira, apesar de, até ao momento, existir “uma ausência total de alternativa habitacional”, afirmou Rita Silva, da Habita – Associação pelo Direito à Habitação e à Cidade, no âmbito da ação de protesto, que teve ainda o apoio da plataforma Stop Despejos.

De acordo com Rita Silva, esta família está numa “situação limite”, podendo ser despejada “a partir de 07 de outubro”.

A mobilização em frente ao Ministério das Infraestruturas e Habitação pretendeu encontrar uma solução habitacional para esta família, após terem enviado uma carta a pedir apoio para esta situação de emergência, à qual não obtiveram resposta.

Para a representante da associação Habita, é preciso “uma alternativa prévia de habitação, que não exponha esta família, principalmente as crianças, a uma situação de despejo”.

“Tenho três filhos, todos com necessidades de acompanhamento médico” e “vi a minha renda passar de 400 para 800 euros”, lamentou Pedro Salgado, em declarações à Lusa, admitindo “não saber o que vai fazer” e garantindo que “já fez tudo”.

A situação da família de Pedro Salgado foi relatada no passado domingo, aquando da participação na concentração pelo direito à habitação, que decorreu na Avenida da Liberdade, em Lisboa.

Já fui à assembleia do município, já concorri aos concursos todos da câmara, já estive numa reunião, através da Habita. Todos me dizem que tenho direito a uma casa, mas depois não há nada para ninguém”, disse o morador.