O Agrupamento de Escolas de São Lourenço, em Ermesinde, Valongo, participou ao Ministério Público infrações “no âmbito do funcionamento da tesouraria” e refere que a funcionária alegadamente envolvida no ilícito já não está ao serviço, informou hoje fonte oficial.

O Jornal de Notícias (JN) escreve hoje que uma funcionária do Agrupamento de Escolas de São Lourenço, em Ermesinde, concelho de Valongo, no distrito do Porto, está a ser investigada pela Polícia Judiciária por alegadamente ter desviado cerca de meio milhão de euros, num caso descoberto em dezembro de 2019.

Sem nunca referir valores, fonte do Ministério da Educação assinala, numa curta nota em resposta a questões da agência Lusa, que a participação, formalizada pelo próprio diretor do agrupamento, surge “na sequência da deteção pela Inspeção-Geral da Educação e Ciência (IGEC) de infrações com relevância disciplinar no âmbito do funcionamento da tesouraria”.

Acrescenta que o processo da IGEC corre “nos termos devidos”.

Segundo o JN, “a técnica responsável pelo processamento de salários é suspeita de se apropriar de descontos para a Caixa Geral de Aposentações e Fisco”.

/ BC