Um homem foi detido por suspeita da prática de três crimes de burla qualificada, no concelho de Loures, fazendo-se passar por funcionário de uma junta de freguesia, informou, esta sexta-feira, a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Segundo uma nota do Ministério Público, foi detido e apresentado para primeiro interrogatório judicial, na terça-feira, um homem “fortemente indiciado pela prática de três crimes de burla qualificada”.

O arguido, de acordo com “fortes indícios recolhidos”, durante este ano, “formulou um plano que consistia em abordar diversas pessoas, a quem se apresentava como funcionário de uma junta de freguesia”.

O homem prometia “diligenciar pela emissão de um cartão”, que permitiria obter medicamentos de forma gratuita, em troca apenas de “um pagamento”, e após receber as quantias ficava com o dinheiro sem “entregar qualquer contrapartida”, explicou a nota da PGDL.

O arguido já tinha sido sujeito a primeiro interrogatório em 25 de março, tendo-lhe sido aplicada a medida de coação de termo de identidade e residência e obrigação de apresentação diária ao órgão de polícia criminal da sua área de residência, mas nunca compareceu perante as autoridades policiais.

O homem foi condenado em 2008, em cúmulo jurídico, a uma pena de prisão de sete anos de prisão, por factos idênticos, através do mesmo “modus operandi”, adotando conduta semelhante quando beneficiava de uma licença de cinco dias de liberdade.

De acordo com a PGDL, foi aplicada ao arguido a medida de coação de prisão preventiva, “por se verificar o perigo de continuação da atividade criminosa e de perturbação da ordem e tranquilidade públicas”.

A investigação prossegue sob direção do Ministério Público, na 3.ª secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Loures, da comarca de Lisboa Norte, coadjuvada pela Esquadra de Investigação Criminal da PSP de Loures.