O suspeito de ter matado a companheira portuguesa, no domingo, na cidade francesa de Toulouse, vai ficar em prisão preventiva, segundo a Polícia Judiciária portuguesa.

Felisberto Semedo, de 30 anos, foi presente a tribunal na segunda-feira para primeiro interrogatório judicial, tendo sido anunciada a prisão preventiva como medida de coação.

O suspeito foi detido por "fortes indícios da prática de crime de homicídio qualificado", que vitimou uma mulher portuguesa, de 29 anos, em Toulouse, depois de um conflito entre os dois.

O homem terá utilizado uma "arma branca" e viajado para Portugal no seu automóvel, entregando-se às autoridades, na esquadra da PSP de Sacavém, concelho de Loures, depois de ter ido primeiro a casa dos pais, em Camarate.

A portuguesa, de origem cabo-verdiana, residia na cidade de Toulouse e tinha uma filha de seis anos do companheiro detido.

A menor está ao cuidado do tio, de 25 anos, irmão da vítima, segundo a cadeia de rádio France Blue.

Segundo a imprensa francesa, por volta das 01:30 (00:30 em Portugal) de domingo, a vítima terá ligado ao irmão, Bruno, tendo este ouvido uma discussão e vidros a partir.

Algumas horas depois, o companheiro da vítima terá telefonado a Bruno, referindo que esta estava "caída no chão".

O crime foi cometido no bairro de Bellefontaine, tendo o irmão da vítima encontrado o corpo já de manhã, ao chegar ao local com os bombeiros.

De acordo com o jornal La Dépêche, de Toulouse, ciúmes e suspeitas de adultério terão estado na origem da discussão que levou à morte da portuguesa.

Ao SOS24, a mãe do suspeito disse que o filho descobriu na noite do crime que a mulher teria um caso extraconjugal. Segundo a progenitora, a vítima foi a primeira a ameaçar de morte o companheiro, com uma arma branca, mas que o filho, mais forte fisicamente, conseguiu dominar, agindo em legítima defesa.

A mãe contou à TVI24 que o filho lhe disse que já estava na cama quando se apercebeu que a mulher estava a trocar mensagens inapropriadas com outro homem. E que depois a vítima entrou no quarto com uma faca e, pensando que o companheiro estaria a dormir, terá dito: "Vais morrer."

A mulher contou, ainda, que os familiares da vítima tentaram entrar no quarto para agredi-lo, mas que ele conseguiu escapar e fugir de carro.