Portugal registou mais sete mortes e 313 novos casos de Covid-19, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS), divulgado nesta sexta-feira. O total de vítimas mortais subiu para 1.712 (mais 0,6%) e há 49.692 casos (+0,4%) confirmados do novo coronavírus no país.

Nas últimas horas recuperaram 318 doentes, com o total a ascender a 34.687 casos recuperados. O número de casos ativos em Portugal é, agora, de 13.293.

Há, também, menos 11 doentes internados, num total de 420, dos quais 52 estão em unidades de cuidados intensivos (menos sete do que no boletim anterior).

A região de Lisboa e Vale do Tejo regista mais 253 casos, o que representa 81% do total de contágios confirmados nas últimas 24 horas. Foi igualmente nesta região que foram confirmados mais óbitos, com seis dos sete registados. A outra vítima mortal foi registada no Alentejo.

Relatório de situação de Covid-19

Em número de casos, Lisboa e Vale do Tejo lidera com 25.110, seguida pela região Norte (18.415, com 26 novos casos), a região Centro (4.387, com cinco novos casos), o Algarve (806 e 11 casos novos) e o Alentejo (667, mais 14 casos).

Nos Açores, o número de infetados subiu para 160 e de óbitos manteve-se nos 15, tal como aconteceu na Madeira, agora com 105 infetados, mas sem registo de mortes.

Apesar do aumento diário de óbitos na zona de Lisboa e Vale do Tejo, é o Norte que continua a registar o maior número de mortes (828), depois surge Lisboa (582), o Centro (252), Alentejo (20), Algarve (15) e Açores (15).

Em relação à informação sobre os casos por concelho, a DGS recorda que apenas é atualizada às segundas-feiras, pelo que os três concelhos com mais casos confirmados indicados no boletim continuam a ser Lisboa (4.240), Sintra (3.476) e Loures (2.197).

Por faixas etárias, o maior número de óbitos concentra-se nas pessoas com mais de 80 anos (1.150), seguidas das que tinham entre 70 e 79 anos (330), entre 60 e 69 anos (152) e entre 50 e 59 anos (55). Há ainda 20 mortos registados entre os 40 e 49 anos, três entre os 30 e 39 e dois entre os 20 e 29 anos de idade.

Em termos de infetados, a faixa etária entre os 30 e os 39 anos foi a que registou um maior aumento de casos em relação à véspera, com mais 65.

Em termos globais, há mais infetados na faixa etária 40-49 anos (8.219, mais 49 casos do que na quinta-feira) depois na 30-39 anos (8.110, um aumento de 65 casos), 50-59 anos (7.549, mais 34), 20-29 anos (7.568, mais 54 casos), seguida das pessoas com mais de 80 anos (5.750, mais 27 do que no dia anterior).

As autoridades de saúde têm sob vigilância 34.870 contactos de pessoas infetadas – menos 96 do que na quinta-feira - e 1.544 casos aguardam resultado laboratorial.

António Guimarães