Portugal regista esta sexta-feira mais cinco mortes e 899 novos casos de covid-19, segundo o último relatório da Direção-Geral da Saúde (DGS). Trata-se do quarto dia com mais contágios registados em Portugal, sendo apenas superado pelos dias 28 de março (902 casos), 31 de março (1.035) e 10 de abril (1.516).

O número total de casos confirmados é, agora, de 72.055, dos quais 1.936 morreram.

Há mais 327 doentes recuperados, num total de 47.003. O número de casos ativos ultrapassou a barreira dos 23 mil, sendo agora de 23.116.

Foram registados mais 36 internamentos, havendo agora 624 doentes hospitalizados. Destes, 86 estão em unidades de cuidados intensivos, mais um internamento relativamente ao último balanço.

Boletim de atualização de covid-19

O boletim refere ainda que em vigilância estão 42.785 contactos, mais 1089 em relação a quinta-feira, e que foram dados como recuperados nas últimas 24 horas 327 doentes.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram notificados mais 505 novos casos de infeção, contabilizando a região 36.904 casos e 742 mortes.

A região Norte regista mais 263 novos casos, totalizando 25.869 e 878 mortos desde o início da pandemia.

Na região Centro registaram-se mais 52 casos contabilizando 5.885 infeções e 259 mortos.

No Alentejo foram registados mais 30 casos de covid-19, totalizando 1.412 casos e 23 mortos.

A região do Algarve tem notificados mais 47 casos de infeção, somando 1.513 casos e 19 mortos.

Na Região Autónoma dos Açores foram registados dois novos casos nas últimas 24 horas, somando 261 infeções e 15 mortos desde o início da pandemia.

A Madeira não regista casos nas últimas 24 horas, contabilizando 211 infeções, sem óbitos registados.

Os casos confirmados distribuem-se por todas as faixas etárias, situando-se entre os 20 e os 59 anos o registo de maior número de infeções, com um destaque para a faixa entre os 30 e os 49.

No total, o novo coronavírus já afetou em Portugal pelo menos 32.630 homens e 39.425 mulheres, de acordo com os casos declarados.

Do total de vítimas mortais, 978 eram homens e 958 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nas pessoas com mais de 80 anos.

A pandemia de covid-19, transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro na China, já provocou mais de 978 mil mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 1.931 em Portugal.

Portugal tem 287 surtos, 124 no Norte

Portugal tem hoje 287 surtos ativos da doença covid-19 e a região Norte é a que regista mais casos, 124, seguida de Lisboa e Vale do Tejo, com 93, divulgou a ministra da Saúde.

Há ainda 31 surtos ativos na região Centro, 22 no Algarve e 17 no Alentejo, precisou Marta Temido, na conferência de imprensa de atualização de informação relativa à infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 que provoca a doença covid-19.

Segundo a ministra, na região Norte destacam-se surtos associados a restaurantes em Póvoa de Varzim e em Vila do Conde e um surto associado a uma viagem turística em Vila Nova de Gaia.

Marta Temido disse que está identificada a ligação epidemiológica "em mais de 60% dos casos" ativos de covid-19 detetados nos últimos dias e muitos destes correspondem e estão "associados a surtos".

Atualmente, a taxa de incidência de covid-19 calculada a sete dias é de 47,4 e a calculada a 14 dias é de 89,8 novos casos por 100.000 habitantes, informou a governante.

O Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge atualizou os seus números para a estimativa de cálculo do risco de transmissibilidade (RT) da covid-19 e "estima agora o valor médio do RT efetivo para os dias 16 a 20 setembro em 1,09, uma vez mais um pouco mais baixo do que nos dias anteriores", disse Marta Temido.

No entanto, a ministra sublinhou que se deve "ler sempre conjugadamente o RT com o número de novos casos, dado pela incidência, e que, provavelmente, a conjugação deste dois indicadores é a melhor forma de aferirmos a situação" relativa à covid-19 em Portugal, "independentemente de outros aspetos, como a utilização de serviços de saúde e a letalidade".

Portanto, "apesar de a incidência continuar elevada", o RT em Portugal "está, de facto, a baixar um pouco", frisou.

Marta Temido lembrou que "a dimensão do fenómeno" da pandemia de covid-19 que o país enfrenta é "significativa" e voltou a apelar a todas as pessoas para que cumpram as "regras básicas de precaução", designadamente a utilização da aplicação de rastreio ‘StayAway Covid'.

António Guimarães