A falta de segurança, derivada da falta de pessoal não-docente, esteve na origem do protesto numa escola em Évora.

Os alunos são mesmo obrigados a sair mais cedo do estabelecimento de ensino, por não estarem reunidas as condições de segurança necessária, devido à falta de funcionários.

Os encarregados de educação revoltaram-se depois de terem recebido uma carta, em que informava que os 220 alunos terem de sair das instalações uma hora mais cedo da escola.