O autor português Luís Miguel Patrício Campião venceu a sexta edição do Prémio Luso-Brasileiro de Dramaturgia António José da Silva com a peça «Nossa Senhora da Açoteia».

Luís Campião foi um dos oito finalistas do concurso e arrecadou um prémio de 15 mil euros. O texto vencedor vai ser agora editado em Portugal e no Brasil. Para o autor o prémio «é um grande incentivo».

«Não me considero um dramaturgo experiente. Venho mais da interpretação, do trabalho como ator. A minha base não é a literatura, mas é uma área em que me estou a especializar e estou a apaixonar-me pelo processo de escrita para o teatro», afirmou o dramaturgo.

A peça «Nossa Senhora da Açoteia» é o monólogo de uma mulher mas que fala de três gerações - a própria, a mãe e a avó - que sempre tiveram problemas de violência com homens. «Depois de terem passado por uma espiral de abusos, elas acabam por se vingar de uma forma também violenta, até macabra» contou à Lusa Luís Campião.

A competição do Prémio Luso-Brasileiro de Dramaturgia António José da Silva tem como objetivos incentivar o surgimento de novos autores, impulsionar a escrita dramática em todos os géneros e aproximar a cultura portuguesa e brasileira.

O júri foi constituído do lado português por João Brites, Manuel Coelho e Rita Blanco, e do lado brasileiro por Eloy de Araújo Faria, Ivone Hoffmann e Cristina Fagundes Galvão. A escolha de Luís Campião foi feita por maioria.

O júri decidiu ainda atribuir uma menção honrosa à peça «Aquele Boliche em Iguaba», do autor brasileiro Rodrigo Valle de Alzuguir.
Redação / RF