João Loureiro estava, afinal, a bordo do Falcon 900, na viagem de São Paulo para Salvador da Baía, no Brasil, quando o piloto detetou falhas mecânicas e solicitou uma inspeção ao avião.

Foi na sequência dessa inspeção, já num hangar do aeroporto em Salvador, que a polícia federal encontrou 578 quilos de cocaína a bordo.

Com Loureiro, seguia a bordo o espanhol Mansur Heredia, e, enquanto este desapareceu sem deixar rasto, o antigo presidente do Boavista regressou rapidamente a São Paulo num voo comercial.

Esta informação foi avançada esta noite pelo programa Sexta às 9, da RTP, e entretanto confirmada pela TVI junto do próprio João Loureiro, que reconhece agora ter estado no voo que deu origem à apreensão da droga.

Estas tinham sido as declarações de João Loureiro, no dia em que foi ouvido pela polícia:

"Quando esta droga foi apreendida, eu não estava em Salvador, estava em São Paulo. Já tinha decidido não voar nesse avião há algum tempo", disse, há uma semana, à TVI. 

Henrique Machado