Os correios humanos usados por uma das maiores redes de tráfico de heroína em Espanha, cujo desmantelamento foi anunciado esta segunda-feira, eram portugueses. A sua função neste grupo criminoso era a distribuição da droga pelas diversas comunidades autónomas espanholas, depois da sua introdução no país. Pelo menos um deles foi capturado em Barcelona. Na mala que transportava tinha 18 quilos deste estupefaciente.

Numa operação que envolveu muita discrição, e que se desenvolveu durante as últimas semanas, foram feitas dez detenções e aprendidos 30 quilos de heroína na Catalunha e nas Canárias - o que não significa que este fosse o total da droga traficada. O gabinete de imprensa da Polícia Nacional espanhola confirmou ao tvi24.pt o envolvimento de correios portugueses, mas sem avançar quantos destes detidos seriam cidadãos nacionais.

Contudo, uma fonte da Chefatura Superior de Polícia da Catalunha explicou ao tvi24.pt que, no âmbito da investigação, «há duas ou três semanas, um português foi detido com uma mala numa estação de Barcelona que continha cerca de 18 quilos de heroína».

«Parece que esta organização dispunha de uma série de correios humanos, que eram especializados em transportar droga», explicou, salientando que a operação durava «há já algum tempo» e que só nos «últimos dias» foram detidos os chefes da organização.

A mesma fonte salientou que, além destes 18 quilos, que foram apreendidos durante o desmantelamento da rede, as autoridades apreenderam ainda 12 quilos nas Canárias. Mas sem poder avançar detalhes, já que a operação foi centralizada pelos serviços de Madrid.

A mesma informação foi prestada ao tvi24.pt pela polícia das ilhas Canárias, que disse ter ficado a par das detenções e da operação apenas pelo comunicado da Polícia Nacional. «A operação foi coordenada por Madrid e as detenções foram feitas por eles», disse uma fonte desta força, não sabendo precisar as nacionalidades das pessoas interceptadas.

Num novo contacto, a Polícia Nacional remeteu todos os detalhes para o comunicado policial, que não dispõe de dados detalhados das detenções.

A nota refere apenas que a coordenação da rede era feita desde Madrid, e que «contava com colaboradores no Irão, Iraque, Senegal, Gana e Portugal» e que «quando a droga se encontrava em Espanha era rapidamente distribuída em diferentes Comunidades Autónomas através de um sistema de correios humanos que se deslocavam desde Portugal para transportar a droga».

A Polícia Nacional espanhola salienta ainda que foi apreendida uma grande quantidade de telemóveis e ainda computadores e material informático.
Hugo Beleza