Portugal é o segundo país da União Europeia e do Espaço Económico Europeu com mais casos de covid-19 por 100 mil habitantes, de acordo com a última atualização do mapa de risco do Centro Europeu para o Controlo e Prevenção de Doenças.

Na avaliação semanal, que contabiliza a notificação de casos a 14 dias, o país só é ultrapassado pelo Chipre que regista cerca de 180 casos por 100 mil habitantes.

De facto, a par de Portugal, que regista uma incidência de 168.78 casos por 100 mil habitantes, só o Chipre e a Espanha (107.48 casos/100 mil habitantes) se mantêm com valores superiores a cem infeções. 

Em sentido inverso, a Roménia (4.61) e Malta (5.83) estão no topo da lista de países da União Europeia com menos casos por 100 mil habitantes, num momento em que a média da UE, indica o Centro, desceu para 38,6 casos.

Mapa de avaliação do número de novos casos notificados a 14 dias / ECDC

Portugal foi, no entanto, o terceiro país com mais casos identificados em termos absolutos - 9.643 -, ficando atrás da Espanha, com 27.991, e da França, com 12.710.

Contudo, na contabilização do número de mortos por milhão de habitantes a 14 dias, Portugal (3,8 mortes) está na nona posição entre os Estados-membros e os países do Espaço Económico Europeu. 

Neste ranking, o Luxemburgo, Liechtenstein e Islândia destacam-se por terem um valor nulo neste indicador, seguidos pela Finlândia (0,54 mortes) e a Noruega (0,56 mortes).

Já no mapa que tem em conta os novos casos e a taxa de positividade de testes realizados, Portugal aparece como um dos poucos países pintados a amarelo. Como Portugal, está também a Irlanda e algumas regiões da Suécia.

 

 

Nesta avaliação, a Espanha divide-se entre o amarelo e entre o vermelho, presente em algumas regiões como a Andaluzia e a Catalunha. Também o Chipre aparece a encarnado no mapa.

Os casos da covid-19 começaram novamente a aumentar na Europa após 10 semanas consecutivas de queda, anunciou esta quinta-feira a filial europeia da Organização Mundial da Saúde (OMS), que alertou para o risco de uma nova vaga.

Segundo o diretor da OMS para a Europa, Hans Kluge "haverá uma nova onda na região europeia, a menos que permaneçamos disciplinados".