«Aulas foram anuladas e testes adiados porque os professores foram emprestados pelo MEC ao privado»,





«A Fenprof reafirma que se torna indispensável conhecer quais as contrapartidas que existem, e quem delas usufrui, neste processo estranho em que o governo coloca os seus trabalhadores ao serviço de interesses privados», declara a federação no comunicado.


«A FNE considera que a imposição dirigida aos professores que venham a ser classificadores dos exames de Cambridge, de prestar provas perante essa instituição sobre o seu nível de proficiência, é uma desconsideração para com os docentes em causa e um desrespeito pelas instituições de ensino superior que avaliaram e certificaram estes docentes», lê-se no comunicado desta federação sindical que a Lusa cita.